#Resenha 03/2020 - A Química que Há Entre Nós - Krystal Sutherland

TÍTULO ORIGINAL: Our Chemical Hearts
AUTORA: Krystal Sutherland
GÊNERO: Young Adult
EDITORA: Globo Alt
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 272

SINOPSEGrace Town é esquisita. E não é apenas por suas roupas masculinas, seu desleixo e a bengala que usa para andar. Ela também age de modo estranho: não quer se enturmar com ninguém e faz perguntas nada comuns. 
Mas, por algum motivo inexplicável, Henry Page gosta muito dela. E cada vez mais ele quer estar por perto e viver esse sentimento que não sabe definir. Só que quanto mais próximos eles ficam, mais os segredos de Grace parecem obscuros. 
Mesmo que pareça um romance fadado ao fracasso, Henry insiste em mergulhar nesse universo misterioso, do qual nunca poderia sair o mesmo. Com o tempo, fica claro para ele que o amor é uma grande confusão, mas uma confusão que ele quer desesperadamente viver.



Olá pessoal!! Depois do bitelão, decidi ler um YA pra relaxar. Quando comprei esse livro, imaginava que o desenrolar da história seria diferente. Aqui, somos apresentados a Henry e Grace, dois estudantes do ensino médio. Ele se apaixonou à primeira vista por ela, quando entrou na sala de aula. Ela era uma aluna transferida de outra escola e era bem esquisita: mancava, usava bengala, vestia roupas masculinas e sujas e estava sempre descabelada. Porém, isso foi exatamente o que atraiu Henry.

Um dia, os dois foram chamados para trabalharem no jornal da escola como editores, lugar almejado por Henry a anos. Durante os trabalhos, Henry tenta se aproximar de Grace, mas a menina se revela cada dia mais estranha. Algo aconteceu a Grace para que ela fosse assim, e isso intrigava Henry, assim como a atração que não o deixava se afastar dela. Quando estavam juntos, havia química e um conforto que não sentiam com mais ninguém.

Difícil falar algo mais sobre a história sem dar spoiler. A história fala um pouco sobre depressão, perdas irreparáveis, famílias mal estruturadas mas, principalmente, sobre amor. Aquele amor verdadeiro, em que não se espera nada do outro. Amar por amar.

#Resenha 02/2020 - A Dança da Morte - Stephen King

TÍTULO ORIGINAL: The Stand
AUTOR: Stephen King
GÊNERO: Suspense
EDITORA: Suma de Letras
ANO DE LANÇAMENTO: 1978
NÚMERO DE PÁGINAS: 1247

SINOPSEUma poderosa arma biológica, conhecida formalmente como Projeto Azul ou "Capitão Viajante", acaba presumivelmente com grande parte da população do planeta. Apenas uma pequena parcela da população é resistente ao vírus, que é extremamente mortal. A primeira parte do romance abrange 19 dias e discorre sobre a quebra e destruição da sociedade em cenas bastante gráficas. O romance prossegue, na parte dois, entrelaçando odisséias da travessia do país de um pequeno número de sobreviventes, incluindo uma estudante colegial grávida (Frances Goldsmith), um trabalhador de fábricas desempregado do Texas (Stuart Redman), um errante com ensino superior (Harold Lauder), um viajante surdo-mudo (Nick Andros), um músico pop insatisfeito (Larry Underwood), e um professor de sociologia pessimista (Glen Bateman). Eles se afogam juntos por seus sonhos compartilhados de uma mulher psíquica idosa que eles viam como um refúgio. Esta mulher, Abigail Freemantle (conhecida como 'Mãe Abigail'), se torna a líder espiritual dessa turma de refugiados, que tentam reestabelecer uma sociedade democrática na cidade Boulder, do Colorado. Enquanto isso, outro grupo de sobreviventes incluindo um ladrão de bens públicos, um incendiário (Trashcan Man), e o ex-chefe do Departamento de Polícia de Santa Monica são impelidos a Las Vegas, Nevada, por outra entidade, um ser mau e sobrenatural conhecido como Randall Flagg, o "homem negro," ou o "homem andante." O comando de Flagg é tirânico e brutal, ainda que efetivo. Na parte três, o palco final é montado quando os dois grupos tomam consciência de si, e cada um reconhece o outro como uma ameaça para sua sobrevivência, levando à resistência do bem contra o mal, envolvendo uma arma nuclear perdida.




Foram 47 dias mergulhada nessa história. Que livro enooooorrrrrrmeee, minha nossa, como é!!! E enormemente maravilhoso. Teve seus momentos arrastados, lógico, sendo tão extenso, mas isso não tirou a excelência dessa obra. Esse livro foi lançado no ano em que nasci, em uma versão resumida (416 páginas) pois na época, a edição original estourou o orçamento de produção.

A história é dividida em três partes: Livro I, Livro II e Livro III. Vou tentar resumir cada um.

LIVRO I - O Departamento de Defesa dos Estados Unidos deixa vazar, por acidente, um vírus mortal dentro de sua base, deixando Charlie escapar do local com a esposa e a filha. Ao chegar em uma cidade vizinha, eles transmitem o vírus para as pessoas daquele lugar, começando aí a disseminação da doença denominada de Capitão Viajante, que se espalha e extermina quase toda a população mundial, deixando poucas pessoas vivas, que ficaram imunes ao vírus. Os sobreviventes tem que aprender a lidar com esse "apocalipse", com a perda dos entes queridos e com o pânico de não saber o que fazer daqui para frente.

LIVRO II - Essa parte da história vai mais para o lado religioso, onde aparecem Mãe Abagail e Randall Flagg, que representam o bem e o mal. Os personagens tem sonhos com essas duas "pessoas". Quem sonhasse com Mãe Abagail, seguiria para o leste, rumo a uma sociedade pacífica. Quem sonhasse com Flagg, o homem escuro, seguiria para o oeste, para se manter submisso a esse tirano.

LIVRO III - Aqui, as comunidades descobrirão como se dará a construção de um novo mundo, cada qual a sua maneira. Os do leste sempre temendo um ataque vindo de Flagg, cuja ameaça vinha em sonhos para alguns. Nesse novo início, questões foram levantadas, como por exemplo: as pessoas aprenderam com os erros do passado? Como lidar com a ameaça vinda do oeste? Como manter a paz e a ordem se não havia mais justiça? Como salvar o futuro, visto que os bebês que estavam a caminho poderiam ter o vírus?




O meu personagem predileto é Tom Cullen, o que era chamado de "retardado" mas nada era além de especial. Só vão descobrir porque se lerem o livro rsrsrs.

É um livro com muitos detalhes, muitos personagens (com suas histórias também detalhadas) e que às vezes eu me perdia um pouco. Sou muito dispersa e em alguns momentos meus pensamentos viajavam para longe da história, quando se tornava um pouco tediosa. Mas o conjunto da obra é excelente. Nos faz refletir sobre o rumo que a humanidade está tomando, fala sobre medo, ego e ódio. Será que adiantaria um extermínio em massa para que o mundo se conserte?

Com certeza essa obra foi um marco nas minhas leituras. Minha memória é péssima para lembrar as histórias dos livros que leio mas essa, dificilmente esquecerei. Ainda mais pelo fato inusitado de eu ter ficado com dois exemplares dele por causa do acidente acontecido, quando eu esqueci o livro em cima do meu carro e saí para viajar, e lembrei disso somente quando já tinha percorrido, pelo menos, uns 100 km de estrada. No desespero, comprei outro, mas, quando cheguei de viagem, meu livro velho estava na portaria do meu prédio... Agora, estou pensando no que fazer com o exemplar repetido.

Beijos e até a próxima!!!!!

#Resenha 01/2020 - Ninfeias Negras - Michel Bussi

TÍTULO ORIGINAL: Nymphéas Noirs
AUTOR: Michel Bussi
GÊNERO: Suspense/Policial
EDITORA: Arqueiro
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
NÚMERO DE PÁGINAS: 352

SINOPSEGiverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho.
É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte - principalmente as protagonistas.
Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.



Olá pessoal! E então vamos iniciar 2020... que já começou com "causos" rsrs. A história do porquê de eu ter começado a ler esse livro é trágica (oh my God!). Comecei, no final de dezembro/19, a ler A Dança da Morte, de Stephen King, um bitelão de 1247 páginas. Minha pretensão era terminá-lo nesses 30 dias, porém........ uma tragédia aconteceu. Estava eu arrumando as bagagens para ir viajar e, ajudando meu marido a arrumar tudo no porta malas, eu o deixei em cima do carro e adivinhem... esqueci ele lá. Só lembrei disso quando estava muito longe de casa. Daí então, eu tinha as Ninfeias Negras no Kindle do meu celular e, sem a dança para ler, comecei. Foi o primeiro livro do autor que li e que grata surpresa eu tive!

Tudo se passa na pequena cidade de Giverny, nos jardins de Claude Monet. Um assassinato misterioso e brutal acontece e intriga a polícia. Jerôme Morval, um oftalmologista renomado e mulherengo, é encontrado morto e a maneira como ele foi assassinado é perturbadora. O inspetor Laurenç Sérénac é chamado para conduzir a investigação junto com seu assistente, Sylvio Benavides, e eles precisarão estar atentos às pistas encontradas pois nem todas conduzirão ao verdadeiro responsável pelo assassinato de Morval.

Topo