TÍTULO ORIGINAL: The Boy Who Drew Monsters: a Novel
AUTOR: Keith Donohue
GÊNERO: Terror
EDITORA: Darkside Books
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 256

SINOPSE: Jack Peter é um garoto de 10 anos com síndrome de Asperger que quase se afogou no mar três anos antes. Desde então, ele só sai de casa para ir ao médico. Jack está convencido de que há monstro embaixo de sua cama e à espreita em cada canto. Certo dia, acaba agredindo a mãe sem querer, ao achar que ela era um dos monstros que habitavam seus sonhos. Ela, por sua vez, sente cada vez mais medo do filho e tenta buscar ajuda, mas o marido acha que é só uma fase e que isso tudo vai passar.
Não demora muito até que o pai de Jack também comece a ver coias estranhas. Uma aparição que surge onde quer que ele olhe. Sua esposa passa a ouvir sons que vem do oceano e parecem forçar a entrada de sua casa. Enquanto as pessoas ao redor de Jack são assombradas pelo que acham que estão vendo, o monstros que Jack desenha em seu caderno começam a se tornar reais e podem estar relacionados a grandes tragédias que ocorreram na região. Padres são chamados, histórias são contadas, janelas batem. E os monstros parecem se aproximar cada vez mais.


Sabe aquela história que te ensina (no meu caso, reforçou o que eu já acreditava) que os pensamentos tem poder? Então, esse livro me mostrou isso. Para mim, não foi exatamente uma história de terror pois eu fiquei o tempo todo tentando buscar a simbologia das representações apresentadas ao longo da história.

O livro conta a história de Jack Peter, um menino de 10 anos de idade que possui síndrome de Asperger, que afeta seu desenvolvimento social, e se expressa por meio de seus desenhos. Seus pais, de alguma maneira, o culpavam pela doença, e não se conformavam com o fato de seu filho ser especial. Coisas estranhas começam a acontecer na casa deles, mas eles preferem não acreditar.



Outro personagem importante da trama é Nicholas, seu único amigo. Nick é filho de um casal de amigos dos pais de Jack. Eles nasceram praticamente juntos e viviam brincando apesar de Nick demonstrar claramente que seu relacionamento com JP era forçado.

O início da leitura foi meio arrastado, eu estava achando que ficaria desta maneira mas, a partir da metade do livro, começou a melhorar. Os fatos sinistros associados aos desenhos de Jack Peter melhoraram o ritmo da trama. E ao final, que não me surpreendeu muito, justifica a maneira como Jack Peter enxergava seus pais, seu amigo e a vida.

O livro é bom, mas eu esperava mais, talvez no sentido de ser assustador. Ele não me deixou com medo de olhar embaixo da cama... rsrsrs Mas recomendo sim a leitura.

Beijos e até a próxima leitura!






Olá pessoal! Eu, que não era fã de séries (não tinha paciência) agora estou me rendendo a elas (e aí que coloquei mais um compromisso no meu dia, que já é lotado, e agora ele tem que ter 200 horas...). E essa é DEMAIS! Não poderia resultar em outra coisa sendo baseada em uma obra do gênio Stephen King. Sob a Redoma é a história de uma cidade que é enclausurada por um estranho domo, intransponível e indestrutível, que surge do nada, isolando-os do resto do mundo. E então, imaginem o que algumas pessoas, com recursos limitados e fenômenos estranhos acontecendo o tempo todo, podem fazer. As regras de uma sociedade "normal" são transgredidas, o desespero toma conta, e as pessoas vão enlouquecendo aos poucos. 




Estou ainda no início da segunda temporada, mas posso afirmar que já me conquistou. Até meu filho de 7 anos está enlouquecido pela série, e me pergunta todos o dias se "vamos assistir mais dois episódios hoje" rsrsrs




Quem ainda não viu, reserve um tempinho para acompanhar, vale a pena. É no Netflix.

Beijos e até o próximo post!

TÍTULO ORIGINAL: La Loca de la Casa
AUTORA: Rosa Montero
GÊNERO: Romance Espanhol
EDITORA: Harper Collins Brasil
ANO DE LANÇAMENTO: 2003
NÚMERO DE PÁGINAS: 176

SINOPSE: Em A Louca da Casa, Rosa Monteiro propõe aos leitores um jogo narrativo cheio de surpresas. Nele se misturam literatura e vida, num coquetel estimulante de biografias e autobiografia romanceada. E assim descobrimos que o grande Goethe adulava os poderosos até chegar ao ridículo, que Tolstói era um energúmeno, que Rosa, quando criança, via-se como uma anã e que, aos 23 anos, manteve um extravagante e hilário romance com um ator famoso.
Mas não devemos confiar em tudo o que a autora conta sobre si mesma: as lembranças nem sempre são o que parecem. Este é, afinal, um livro sobre a fantasia e sonhos, loucura e paixão, sobre os medos e as dúvidas dos escritores, mas também dos leitores. A Louca da Casa é, antes de mais nada, uma tórrida história de amor e de salvação entre Rosa Montero e seu imaginário.


Foi uma experiência literária enriquecedora. Mais uma vez estou grata à TAG Experiências Literárias pela oportunidade de sair da minha zona de conforto. A obra demonstra que Rosa Montero tem muito conhecimento sobre o seu métier e ela conseguiu escrever uma autobiografia muito bem humorada, apesar de ficcional, como ela própria cita no livro. E essa característica se reforça com as três versões que ela conta sobre a história de amor que teve com M., um famoso ator de Hollywood, pois não ficamos sabendo qual das histórias é a verdadeira ou a que mais se aproxima de ser verdadeira. Achei que iria odiar o livro entretanto, gostei muito, apesar de ser algo totalmente diferente do que estou acostumada a ler.




Ela discorre sobre o comportamento de um romancista ao escrever suas obras e fala sobre vários autores, mas aí, os fatos são verídicos e podem ser comprovados. Dentre os escritores está Philip K. Dick, cujo obra Um Reflexo na Escuridão li a pouco tempo e virei fã do cara (resenha aqui). Fiquei com muita vontade de ler A Sangue Frio, de Truman Capote, que já me tinha sido indicado por uma amiga e agora fiquei mais curiosa ainda sobre ele.

Separei alguns trechos de que gostei e vou transcrevê-los aqui:

"Para ser, temos que nos narrar, e nessa conversa sobre nós mesmos há muitíssima conversa fiada: nós nos mentimos, nos imaginamos, nos enganamos." (página 8)

"Falar de literatura, então, é falar da vida; da própria vida e da vida dos outros, da felicidade e da dor. E é também falar do amor, porque a paixão é o maior invento das nossas existências inventadas, a sombra de uma sombra, a pessoa adormecida que sonha que está sonhando." (página 11)

"Os seres humanos são criaturas tão paradoxais que a fraqueza mais tola e vulgar pode coexistir ao lado do talento mais sublime." (página 42)

"Porque os seres humanos não apenas são menores que seus sonhos, também são menores que suas alucinações. A imaginação sem freios é como um raio no meio da noite: abrasa, mas ilumina o mundo." (página 125)

"Seja por esta razão, seja simplesmente porque meus neurônios estão deteriorados, a questão é que minha memória é catastrófica, a ponto de às vezes eu mesma ficar assustada com meus esquecimentos." (página 141) - me vi nessa frase... rsrs

"Em geral, os seres humanos não permitem outros delírios, mas aceitam o amoroso. A alienação passageira da paixão é uma doidice socialmente admitida. É uma válvula de escape que no permite continuar sendo equilibrados em todo o resto." (página 150)

Deixem seus comentários aqui se acharam interessante a temática da obra! Eu recomendo a leitura!

Beijos e até o próximo post!

Oi galera! Divulgando a pessoa sorteada e que vai ganhar o livro Sonhos de Uma Noite de Verão, da Lisa Kleypas!

O sorteio foi realizado pelo aplicativo Sorteio e acabei fazendo dentro do meu carro, pois não estou em casa, e estou postando do celular, portanto se não ficar lá essas coisas, melhoro a postagem em casa depois! O que vale é a foto com o resultado! Vamos lá! Tchan, tchan, tchan, tchan!


A sorteada foi Aline de Paula Oliveira! (Vide lista que divulguei ontem aqui no blog) Parabéns lindona! Você receberá o livro em até 45 dias. Trocaremos mensagens por e-mail para me passar o endereço para envio. 

Beijos a todos e obrigada a quem participou!!!! Mais para a frente farei outros sorteios, fiquem ligados!

Oi pessoal! Eu avisei que o tempo passaria rápido! Acabaram as inscrições para o sorteio que será realizado amanhã! Como prometido, hoje estou divulgando a lista de inscritos que, dessa vez foi menor que a anterior... quem não se inscreveu, bobeou...

Segue a lista:






Fiquem ligados que amanhã postarei o grande vencedor (ou vencedora)! Boa sorte a todos!!!

TÍTULO ORIGINAL: Before He Finds Her
AUTOR: Michael Kardos
GÊNERO: Ficção/Suspense
EDITORA: Arqueiro
ANO DE LANÇAMENTO: 2015
NÚMERO DE PÁGINAS: 304

SINOPSENum domingo de setembro de 1991, Ramsey Miller deu uma festa em casa para os vizinhos. Depois, assassinou a esposa e a filha de 3 anos. Todo mundo na pacata cidade de Silver Bay conhece a história. Só que todos estão errados. A menina escapou. Sob o nome falso de Melanie Denison, ela passou os últimos quinze anos escondida com os tios numa cidadezinha remota. Nunca pôde viajar, ir a uma festa na escola ou ter internet em casa, porque Ramsey jamais foi encontrado e poderia ir atrás dela a qualquer momento. Mas, apesar das rígidas regras de segurança impostas pelos tios, Melanie se envolve com um jovem professor da escola local e engravida. Ela decide que seu filho não terá a mesma vida clandestina que ela e, para isso, volta a Silver Bay para fazer o que nem os investigadores locais, nem a polícia federal, nem o FBI conseguiram: encontrar seu pai antes que ele a encontre.


Quando soube do lançamento desse livro e li sua sinopse pensei: "É a minha praia. Mais um suspense que parece ótimo!" Acabei baixando o ebook e li até que rápido, 6 dias, visto que eu estava lendo com outro em paralelo (que eu ainda não terminei, mas em breve farei a resenha dele aqui também). Não me decepcionei nem um pouco, ele foi mais do que eu esperava, uma trama super bem construída, com um final surpreendente.

A história é contada com fatos presente e passados, alternando os capítulos entre os anos de 1991 e 2006. A cada ida e vinda, você vai entendendo o que aconteceu com Ramsey, Allie e Meg e, no final, nada é o que parece ser...




Meg Miller, que agora se chama Melanie Denison vive escondida com os tios, Wayne e Kenda, que a protegeram após o pai matar sua mãe. Eles a queriam escondida para evitar que Ramsey a encontrasse e tentasse matá-la. Só que Melanie queria sua liberdade, pois já iria completar 18 anos e então se envolveu com Phillip e queria fazer faculdade de jornalismo. Só que um dia, decidiu que queria procurar o pai e vai viajar para sua cidade natal sem que os tios soubessem, deixando somente um bilhete para que não se preocupassem. E aí que a coisa começa a esquentar... Ela vai atrás de Arthur Goodale, um velho jornalista que escreve um blog sobre o assassinato dela e de sua mãe. Quando tem uma conversa com Arthur, ele lhe dá uma pista que a fará chegar à conclusão sobre essa história.

É um livro que vai te deixar com a pulga atrás da orelha até as últimas páginas. Muito bom mesmo! Recomendo muitíssimo para os fãs de um suspense inteligente.

Beijos e até o próximo post!

Oi pessoal! Esses últimos dias andei super atrapalhada, com muitas coisas para fazer em pouco tempo e acabei abandonando um pouco o blog, não comentei em nenhum blog amigo e nem respondi os comentários nas postagens. Mas prometo que vou fazendo isso aos poucos e vou me atualizando.

Hoje venho com uma TAG diferente que achei muito bacana. Eu a vi no blog Book & Cia e tive vontade de responder. Consiste em mostrar os marcadores de livro que você tem conforme o adjetivo. Eu não tenho muitos pois comecei a coleção recentemente mas acho que já consigo ter respostas para os quesitos. Vamos la?

1) O pequeno: um marcador pequeno que faz toda a diferença - além de pequeno, ele é simples, mas a sua mensagem é importantíssima!


2) O impossível: aquele marcador que você deu a vida para conseguir - não dei a vida, mas tive que ser rápida pois estava acabando...


3) O troféu: um marcador que você exibe como troféu e causa um desconforto entre os colecionadores - não tenho um assim

4) O desajeitado: um marcador que é ruim para guardar  e usar - não preciso nem justificar...


5) O belo: um marcador que chame a atenção pela beleza - a imagem é autoexplicativa


6) O popular: um marcador que todo mundo tem, que é fácil de achar - é só ir lá na Livraria Cultura que tem de monte!


7) O diferente: um marcador que tenha alguma característica peculiar que o torna especial dentre os outros - esses dois foram feitos pelas professoras do meu filho. Super bacanas!


8) O nostálgico: um marcador que remeta a alguma lembrança boa - lembra vó, lembra bisa, que são coisas ótimas!


9) O presenteado: um marcador que lhe foi dado de presente e você guarda com todo o carinho - é de metal com um anjinho pendurado! Lindinho demais!


10) A coleção: uma coleção completa ou incompleta de marcadores que você cutou ou está custando a completar - não tenho coleção

11) O repetitivo: um marcador que você tem muitos iguais - olha a Livraria Cultura aí gente! Cada vez q compro um livro lá, eles põe um desse dentro. Tenho uns 5...


12) O que não existe: um marcador que você quer muito, mas não tem - não existe, ainda...

13) Tal livro, tal marcador: um marcador que é tão especial quanto o livro, em capa, conteúdo e características.



Espero que tenham gostado da TAG. Quem coleciona marcadores? Fiquem à vontade para responder!!!

Beijos e até a próxima!

TÍTULO ORIGINAL: Confissões de uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática
AUTORA: Thalita Rebouças
GÊNERO: Ficção
EDITORA: Arqueiro
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 272

SINOPSE: Tetê acaba de se mudar coma família toda para a casa dos avós em Copacabana, no Rio de Janeiro. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve de ser vendido, pois com a crise o pai perdeu o emprego, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo.
Além de perder a privacidade - tendo que dividir o espaço com cinco parentes maluco que brigam o tempo todo -, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz.
O lado bom foi se livrar do antigo colégio, onde sofria bullying por causa do seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa... O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola e sem conhecer ninguém. Ela morre de medo de ser excluída, de não fazer amigos ou de sofrer bullying novamente.
Apesar de ser uma garota divertida e bem humorada, ela está mal. Ou talvez seja um pouco de drama, porque no primeiro dia de aula as coisas já parecem um pouco diferente... Com o tempo, ela vai descobrir que sair da zona de conforto e enfrentar seu medos é a única maneira de ser feliz.


Olá leitores, como estão? Vocês devem estar se perguntando: "o que uma pessoa de 38 anos está fazendo, lendo um tipo de livro como esse?" Resposta: porque me identifiquei com o título... quem não se sentiu assim uma vez na vida, seja na infância ou na adolescência? Quando fiquei sabendo do seu lançamento, pensei: "TENHO QUE LER ESSE LIVRO!" E agora que terminei, percebi que, em muitos momentos, me vi na Tetê.

Sempre sofri de baixa autoestima, me achava feia, nunca tive muitos amigos, era do grupo das excluídas, os meninos que eu gostava nunca me queriam... bem, acho que fui uma adolescente um tanto quanto normal rsrs. Quando comecei meu primeiro namoro, aos 16 anos, pensava que o garoto só poderia estar maluco em querer alguém como eu (assim como a Tetê). Depois de um tempo, aceitei a ideia de que ele realmente gostava de mim e a partir daí, percebi que poderia ser amada sim. O namoro não durou muito, para dizer a verdade nem sei porque acabou (odeio ficar sem explicação grrrrr) mas foi uma experiência mágica... bem, chega de me abrir aqui e vamos à resenha do livro né?



Tetê  tem um nome estranho: Teanira. E isso já é motivo suficiente para ela precisar de muita terapia. E além disso, sua família não ajuda nem um pouco, faz questão de destacar sempre seus defeitos e insiste que ela precisa de amigos, namorado... A coitadinha vive em constante tensão por causa disso. Ela é uma adolescente normal, que sofre bullying e tem muito dificuldade em fazer amigos.

Mas a mudança de bairro, de escola e o convívio com seus avós e seu bisavô começam a mudar Tetê. Apesar de o primeiro dia de aula na nova escola ter sido um verdadeiro desastre, ela percebe que, mesmo com seu jeito torto, pode iniciar amizades com pessoas tão excluídas quanto ela. Conhece Erick, o carinha mais lindo do colégio, e já se apaixona de cara, pois ele foi super fofo com ela logo que conheceu. Começa uma convivência muito bacana com Zeca e Davi, que possui um irmão, o Dudu, por quem Tetê também se apaixona (sim, quando adolescentes temos vários amores, oras.....)



E essas pessoas estão sempre levantando o astral de Tetê e tentando mostrar que ela é linda, é legal, e tem tudo para conquistar o mundo. Zeca a faz passar por uma transformação, o que levanta a sua autoestima. Com isso, ela começa a acreditar em amizade verdadeira!

Tetê ama cozinhar e um aspecto que gostei muito no livro: sempre que ela cita uma de suas deliciosas receitas, elas aparecem com o passo a passo para que possamos fazer e experimentar também!

Apesar de ser uma história fictícia, ela é bem real! E nos faz acreditar que é sempre possível superar! O livro possui uma linguagem bem adolescente, mas acredito ser uma leitura para todas as idades pois, além de abordar o tema bullying, fala sobre preconceito social e os padrões abusivos de beleza impostos pela sociedade. E a autora consegue abordar esses temas com bastante humor, eu ri muito com a Tetê!



Não quero terminar esse post sem listar as coisas em comum que tinha com Tetê quando adolescente:
- tive uma decepção amorosa cedo (ela, com 15 anos e eu, com 12...)
- zero habilidosa com a palavras (até hoje, por sinal...)
- sou muito melhor escrevendo
- tinha sobrancelha de taturana (monocelha, daquelas juntas, sabe?)
- baixa autoestima (eu era dentuça, usava aparelho nos dentes, fora as outras coisas que não vou comentar aqui)
Entretanto, uma habilidade que ela tem que eu não tinha, nem tenho até hoje: saber cozinhar... rsrs

Devorei esse livro em 2 dias, pois ele é bem facinho de ler. Recomendo a leitura sim, pois, do seu jeitinho, ele é bem reflexiva.

Beijos e até a próxima!




Hoje é um daqueles dias em que eu estou sentindo vontade de escrever. Sobre o quê? Muitas coisas. Tantas, que as palavras não saem, estão todas congestionadas na ponta da caneta. Eu tinha todo o texto na minha cabeça e, agora que estou com a caneta na mão, nada sai. Alguém sabe me dizer por que isso acontece?

Esse tipo de situação é uma constante, assim como quando quero dizer muitas coisas a alguém e na hora do cara a cara, aquele discurso ensaiado mentalmente é bloqueado, e não sai uma palavra.

Só que a cabeça continua a mil por hora, o que não deixa você trabalhar direito, tira sua concentração e as palavras não ditas ficam te incomodando.

Já fui melhor nesse quesito. Escrevia muito, fazia diário, expunha sentimentos, mas o tempo foi passando e parece que tudo foi ficando mais difícil. Engraçado... deveria ser o contrário: exteriorizar tem sido bem complicado e me sinto, aos 38 anos, muito boba por isso.

Enfim, nesse texto, não escrevi o que realmente estava nos meus pensamentos.

TÍTULO ORIGINAL: The Memory Painter
AUTOR: Gwendolyn Womack
GÊNERO: Ficção
EDITORA: Record
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 378

SINOPSE: Um amor que atravessa o tempo. Uma equipe de cientistas prestes a fazer uma grande descoberta sobre a construção da memória e um medicamento milagroso capaz de revelar um mistério antigo.
Bryan Pierce é um renomado pintor cujos trabalhos deslumbram o mundo. Mas há um segredo para o seu sucesso: cada tela é inspirada em um sonho excepcionalmente vívido. Sempre que acorda, ele adquire novas e extraordinárias habilidades, como a capacidade de falar línguas obscuras ou um gênio inexplicável para o xadrez. A vida inteira Bryan se perguntou se seus sonhos eram apenas isso ou se seriam memórias, se ele estaria experimentando a vida de outras pessoas. Linz Jacobs é uma neurogenecientista brilhante, dedicada a decifrar os genes que ajudam o cérebro a criar memórias. Ao visitar uma exposição na galeria de uns amigos, ela se depara com a imagem de um pesadelo recorrente de sua infância e adolescência... em um dos quadros de Bryan. Linz localiza o artista, e o encontro dos dois desencadeia o sonho mais intenso do pintor: a visão de uma equipe de cientistas que, na iminência de descobrir uma cura para o Alzheimer, morre em uma explosão no laboratório. Bryan fica obcecado pelas circunstâncias estranhas que cercam a morte dos cientistas, e seu sonhos aos poucos revelam o que aconteceu no laboratório, assim como um mistério mais profundo que o leva ao Egito antigo. Junto, Bryan e Linz começam a perceber um padrão em seus sonhos. E que há um inimigo mortal observando cada movimento deles que não vai parar enquanto não atingir seu objetivo.


Quando vi a sinopse desse livro, fiquei maluca para ler. Histórias que falam de amor além do tempo me fascinam (quem me acompanha aqui acho que já percebeu isso). Mas conforme fui avançando na leitura desse livro percebi que era muito mais que isso, e fiquei encantada por ele! É um livro que mistura romance, mistério, suspense, fatos históricos e aborda temas sobre o universo da mente humana e reencarnação, e por isso se tornou um dos meus preferidos!

Bryan é um pintor talentoso cujas obras chama a atenção pela realidade transmitida por elas. O que ninguém sabe é que suas pinturas retratam seus sonhos que, na verdade, são visões de sua vidas passadas. Linz fica conhecendo Bryan pois, na exposição de suas obras, ela tem contato com uma que retrata um sonho que a perseguiu durante toda a sua infância e a perturbava muito.

Desde o início da história, você percebe que há uma forte ligação entre os dois e, conforme o desenrolar, você fica cada vez mais preso a ela querendo saber onde todas as visões e memórias vão parar.




Em uma de suas visões, Bryan conhece um grupo de cientistas, que viveram nos anos 80, e trabalhavam no desenvolvimento de uma droga para a cura do mal de Alzheimer e é a partir daí que começamos a entender os porquês...

A narrativa alterna entre a história atual de Bryan e Linz, a do grupo de cientistas em 1982 e o fatos históricos, que mostram as várias vidas de Bryan e o desfecho é surpreendente! No final, todas as pontas se encaixam mas deixa brecha para uma continuação... 

O que eu fiquei mais feliz é que a autora já está trabalhando em seu próximo livro, que tem previsão de lançamento em junho de 2017, cujo título original é The Fortune Teller (só pelo título, tenho esperanças de que será tão bom quanto o Pintor!!!). Parabéns à autora que teve essa incrível estréia!

Leitura mais do que recomendada, que deixa uma bela mensagem no final!

Beijos e até a próxima!

Olá leitores, como estão? Hoje venho mostrar as comprinhas de setembro, que foi um mês magrinho nesse quesito (a crise....). Só comprei livros que estavam nas ofertas relâmpago da Amazon e do Submarino. Aqui estão:




O Coração da Esfinge (Skoob) - eu li o primeiro dessa série dos Deuses do Egito, da Collen Houck e amei! É óbvio que eu vou querer a série toda (espero que não seja daquelas de muitos volumes senão é falência na certa)

O Menino que Desenhava Monstros (Skoob) - amo os livros da Darkside e esse era um que eu pre-ci-sa-va ter! Muitas críticas boas!




Essa é uma das minhas mas recentes paixões (vício). Esses livros custam R$ 39,90 cada um e no Submarino estavam em oferta, um por R$ 9,90 e o outro, por R$ 14,90. Não poderia deixar passar!

Bem, esses são os queridinhos de setembro. Espero que tenham gostado! Se leram algum deles, comente aqui!

Beijos e até a próxima!

TÍTULO ORIGINAL: Nu, de Botas
AUTOR: Antonio Prata
EDITORA: Companhia das Letras
GÊNERO: Crônicas
ANO DE LANÇAMENTO: 2013
NÚMERO DE PÁGINAS: 140

SINOPSE: Em Nu, de Botas, Antonio Prata revisita as passagens mais marcantes de sua infância. As memórias são iluminações sobre os primeiros anos de vida do autor, narradas com a precisão e o humor que seus milhares de leitores já se habituaram na Folha de São Paulo, jornal em que Prata escreve semanalmente desde 2010. (...) Os textos não são memórias do adulto que olha para trás e revê sua trajetória com nostalgia ou distanciamento. Ao contrário, o autor retrocede ao ponto de vista da criança, que se espanta com o mundo e a ele confere um sentido muito particular - cômico, misterioso, lírico, encantado.


Comecei a ler esse livro despretensiosamente e, em dois dias, terminei! As crônicas do colunista da Folha de São Paulo, filho de Mario Prata, são sensacionais!

Ele tem um estilo de escrita muito fácil, direto e bem humorado. O modo como ele conta as histórias de sua infância me fizeram rir alto!!! E, pelo fato de ele ser meu contemporâneo (ele nasceu em 1977 e eu, em 1978), não houve uma crônica com a qual eu não me identificasse. Elas seguem uma ordem cronológica mas não se trata de uma história contínua. Cada crônica fala sobre um dia em sua infância.

A mais sensacional: a de título "Alô, Bozo?". Eu amava o Bozo e me sentia exatamente como ele descreveu na história! Cada detalhe descrito (até o número de telefone, achei fantástico!) me remeteu a 1980 e bolinhas... rsrs... A única diferença é que eu nunca tive coragem de ligar para o programa! kkkkk





A última crônica, "Pela Janela", me fez lembrar de um acontecimento de quando eu tinha 12 anos, quando fiz mais ou menos a mesma coisa que a garotinha citada na história. Só que com uma diferença: eu não era correspondida (ainda bem que eu era somente uma criança... rsrsrs).

Enfim, leiam este livro fantástico! É uma leitura rápida e, se você passou sua infância nos anos 80, é certeza que vai se divertir muito!!!!

Beijos e até o próximo post!!!

TÍTULO ORIGINAL: Slightly Tempted
AUTORA: Mary Balogh
GÊNERO: Romance de época
EDITORA: Arqueiro
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 288

SINOPSE: Jovem, estonteante e nascida em berço de ouro. É apenas isso que Gervase Ashford, o conde de Rosthorn, enxerga em Morgan Bedwyn quando a conhece, num dos bailes da sociedade inglesa em Bruxelas.
Em circunstâncias normais, ele não olharia para ela duas vezes - prefere mulheres mais velhas e experientes. Porém, ao saber que Morgan é irmã de Wulfric Bedwyn, a quem Gervase culpa pelos nove anos que passou longa da Inglaterra, decide que é o instrumento perfeito para satisfazer seu desejo de vingança.
Mas Morgan, apesar de jovem e inocente, também é independente e voluntariosa e, assim que entende as intenções do conde, se prepara para virar o jogo e deixar claro que não se deixará manipular por ninguém.


Esse é o quarto volume da série que fala sobre a família Bedwyn, tradicional na Inglaterra, que tem a fama de serem nada convencionais para a época.

Esse volume conta a história da caçula, Lady Morgan Bedwyn, que estava em Bruxelas passando uma temporada com a família de um de seus pretendentes, capitão Gordon.
Lá, em um dos bailes da sociedade, ela é apresentada ao conde de Rosthorn, Gervase Ashford, que, no passado, teve um desentendimento com Wulfric, o irmão mais velho de Morgan.

A princípio, ele se aproxima dela para tentar vingança ao duque de Bewcastle porém essa história acaba se encaminhando por um outro lado. O irmão de Morgan, Alleyne, é dado como morto na Batalha de Waterloo e Gervase tenta ajudar Morgan, que a essa altura se encontrava sozinha em Bruxelas pois a família de seu pretendente partiu de volta a Londres.

Uma história de amor um tanto quanto complicada, envolvendo vingança, desconfiança e um toque de crueldade.

Essa é a única série grande (6 volumes) que estou acompanhando pois não tenho paciência kkkkkk mas está valendo a pena. Em breve, será lançado o quinto livro, Ligeiramente Pecaminosos, que falará sobre o penúltimo Bedwyn solteiro, Alleyne (oras, ele não morreu???)

Fiz um post sobre os outros três volumes aqui, se quiserem saber mais sobre a série.

Beijos e até a próxima!!!