Olá pessoal! Eu não falei que esse ano teriam novidades aqui no blog? Estou me engajando em vários projetos diferentes, e espero honrar o compromisso com todos eles, e hoje o post é de um que fiquei conhecendo por meio do blog Quanto Mais Livros Melhor, da Priscila Tavares, entretanto a criação do projeto é da Thamiris do blog Historiar

Trata-se de um projeto que consiste em escrever um texto por mês conforme os temas estabelecidos. Isso para despertar a vontade de escrever nas pessoas e fazer com que exercitem suas escritas. Quando li sobre o projeto achei muito interessante mas minha primeira reação foi dizer: "Não, eu não conseguiria, sou péssima para escrever e ter ideias". Mas a vontade de seguir em frente ficou me remoendo até que resolvi arriscar (quem não arrisca...). Vai ser um belo desafio!

Se você quiser participar ou saber mais sobre o projeto, acesse aqui.

O tema de janeiro é: DAS COISAS MAIS IMPORTANTES DA MINHA VIDA 

A minha vida não tem nada de extraordinário, contudo me considero uma pessoa muito, mas muito feliz. Tenho saúde, sou casada com o amor da minha vida (apesar de muita gente não acreditar que o amor da nossa vida exista realmente, mas eu acredito que sim), tenho um filho maravilhoso e cheio de saúde, inteligente e esperto e tenho um trabalho que me sustenta e me dá condições de viver confortavelmente com minha família, sem luxos é claro, mas luxo pra quê?

E tudo isso que escrevi nesse primeiro parágrafo posso considerar como as coisas mais importantes da minha vida, seguidas dos meus pais e meu irmão, que são as pessoas com quem realmente posso contar. Os momentos mais simples, que passo com essas pessoas, são os mais importantes para mim pois o que realmente importa é estar com quem a gente AMA e quer estar ao nosso lado.

O amor é o que sustenta tudo que fazemos: as relações de amizade, familiar, de trabalho... é o que sustenta nossa vida. Podem me chamar de lunática, mas acredito nesse sentimento tão incrível e que ele tem a capacidade de mudar as pessoas.

Seja pelos pais, irmãos, pelos amigos, pelo marido/esposa, pelos filhos, o amor é o sentimento mais puro e misterioso que existe. Ele nunca deve ser desprezado, portanto valorize quem diz que te ama.

Olá pessoas, como estão?

Hoje vou responder uma TAG que vi no blog Um Oceano de Histórias, da Bru Costabeber. Deem uma passadinha lá que o blog é demais! A TAG se chama Oscar Literário e devemos indicar livros como ganhadores das categorias abaixo. Vamos lá?



Imagem retirada do blog Um Oceano de Histórias



Melhor livro - O Físico, the best ever!!!! Difícil não se apaixonar por Robert J. Cole! (resenha)




Melhor personagem masculino - Claro que é Robert J. Cole! Se não o colocasse nesta categoria seria incongruência.

Melhor personagem feminina - Alma Mendel, de O Amante Japonês, que me conquistou por sua vontade de viver.




Melhor personagem masculino coadjuvante - eu não me ligo nos coadjuvantes então não me lembro de nenhum de destaque para indicar aqui.

Melhor personagem feminino coadjuvante - igual acima.

Melhor história original - Sob a Redoma, de Stephen King (resenha). A história é muito bem amarrada mesmo com zilhões de personagens, e que não da para parar de ler.




Melhor história adaptada - uma que eu gostei muito, mas não necessariamente foi a melhor, é Memórias de Uma Gueixa. Achei a adaptação perfeita! (resenha)




Melhor fotografia (cenário) - Pintor de Memórias (resenha), pois não é só um cenário magnífico mas vários cenários!




Melhor autora - aquela que me emociona sempre, Kristin Hannah




Melhor livro baseado em fatos reais - Na Pele de Uma Jihadista, que me deixou bem tensa mostrando a crueldade das ações terroristas. (resenha)




Melhor conto - A Garota dos Olhos Azuis, que aborda um tema atual e polêmico. (resenha)




Melhor ilustração - esse é unânime: O Pequeno Príncipe!




Melhor edição - eu escolheria todos os livros da Darkside que são de matar qualquer um, mas uma edição linda é a de O Diário de Uma Escrava, que ainda não li.




Melhor livro fora do eixo Brasil X EUA - Eu citaria O Físico de novo mas vou indicar outro que amei, O Despertar do Príncipe, que se passa no Egito. Demais esse livro! (resenha)




Melhor trilha sonora original - o único livro que li com trilha sonora foi As Vantagens de Ser Invisível, então o indico aqui.




Melhor canção original - idem acima.


Foi a TAG mais difícil der responder pois lembrar os melhores de todos os livros que já li é complicado. Minha memória é péssima!!! rsrs

Beijos e até a próxima!!

Categorias:

TÍTULO ORIGINAL: The Messenger
AUTOR: Markus Zusak
GÊNERO: Ficção/Romance
EDITORA: Intrínseca
ANO DE LANÇAMENTO: 2007
NÚMERO DE PÁGINAS: 320

SINOPSE: Seu emprego: taxista. Sua filiação: um pai morto pela birita e uma mãe amarga, ranzinza. Sua companhia constante: um cachorro fedorento e um punhado de amigos fracassados.
Sua missão: algo de muito importante, com o potencial de mudar algumas vidas. Por quê? Determinado por quem? Isso nem ele sabe.




O livro conta a história de Ed, um garoto de 19 anos, que mora no subúrbio, sozinho, pois seu pai alcoólatra faleceu e sua mãe o despreza. Seus irmãos são todos bem sucedidos ao contrário dele, que mentiu a idade para conseguir trabalhar como motorista de táxi e residir numa espelunca. Ed se sente um fracassado, sem saber qual rumo tomar e então, vai vivendo desse jeito, levando as pessoas para lá e para cá, e jogando carteado com seus amigos Marv, Ritchie e Audrey.


"Taxista. Vagabundo das redondezas. Modelo de mediocridade. Um desastre sexual. Péssimo jogador de cartas. E agora, pra completar, imã que atrai merda." (página 124)


Mas a vida de Ed começa a mudar após um assalto que ocorreu no banco onde estava com seus amigos. Após discutir com o assaltante mas felizmente se safar, recebe em casa uma carta de baralho com alguns endereços e então deve descobrir o que fazer com essas informações.


Li algumas opiniões negativas sobre esse livro mas eu simplesmente amei. Uma história que nos faz refletir sobre qual o nosso papel nessa vida. Para que estamos aqui senão para tentarmos ser pessoas melhores e evoluir? Esse livro me tocou fundo afinal já tive 19 anos como Ed e me questionava o que faria da vida, e se o que eu estava fazendo até aquele momento estava certo ou não, se valeria a pena.

Foi um livro que me prendeu bastante e de fácil leitura. Markus Zusak tem uma escrita tranquila de se entender e o certo humor que ele incorpora na história só torna o livro melhor. Eu não li A Menina Que Roubava Livros (só assisti ao filme) então não tenho como comparar mas eu adorei o modo de escrever do autor.



O final da história é cativante e só fez me apaixonar pelo protagonista e pela forma como ele encarou o desafio que lhe foi dado. Recomendo muito a leitura, porque, em alguns aspectos, esse livro me fez mudar o modo de ver a vida.

Beijos e até a próxima!

TÍTULO ORIGINAL: Misery
AUTOR: Stephen King
GÊNERO: Suspense/Terror psicológico
EDITORA: Suma de Letras (Objetiva)
ANO DE LANÇAMENTO: 1987 (esta edição é de 2014)
NÚMERO DE PÁGINAS: 326

SINOPSE: Paul Sheldon é um famoso escritor que finalmente encontrou sua maior fã. Ela se chama Annie Wilkes, e é mais do que uma leitora voraz: é a enfermeira de Paul, pois cuida dos ferimentos que ele sofreu num grave acidente de carro. Mas Annie também é a carcereira de Paul, mantendo-o prisioneiro em sua casa isolada.
Agora, Annie quer que Paul escreve sua obra prima, mas só para ela. Annie tem vários métodos para incentivá-lo. Com uma agulha. Ou um machado. E, se nada funcionar, ela poderá ficar ainda mais perigosa.


Olá pessoal! Ando sumida do blog e já justifico: acabaram as minhas férias, voltei a trabalhar a todo vapor, filho voltou para a escola, enfim... está sobrando pouquíssimo tempo para ler. O dia poderia ter mais de 24 horas, daí quem sabe conseguiria colocar todas as minhas diversões em dia...

Bem, vamos ao livro. Misery, até agora, foi o livro mais angustiante que já li. King mostra mais uma vez a sua genialidade e capacidade de manter o leitor grudado nas páginas sem querer largar, fazendo com que mergulhemos totalmente na história e nos sentimentos dos personagens.




Annie é uma psicótica que mantem seu autor favorito preso em sua casa após encontrá-lo muito ferido na estrada depois que sofreu um acidente de carro. Paul, conforme o tempo foi passando, percebia o quanto doida essa mulher era. Apesar de ser ex-enfermeira, ela usou métodos pouco convencionais para acalmar as dores de Paul. E isso me dava cada vez mais aflição, conforme a história avançava. Ela o estava levando a beira da loucura.

King é tão demais que ele conseguiu escrever uma história lotada de psicologia e representações com basicamente dois personagens. A história não é cansativa, apesar de se passar o tempo todo no mesmo cenário, muito pelo contrário, a cada capítulo ele faz você querer avançar para o próximo a fim de saber qual será a próxima maldade de Annie.

O final da história não me surpreendeu mas me abalou pela riqueza de detalhes. Apesar da grande aflição, eu adorei esse livro e recomendo demais! Mais um para eu assistir ao filme! Eis o trailer abaixo (1990):




Beijos e até a próxima!

TÍTULO ORIGINAL: The Princess Diarist
AUTOR: Carrie Fisher
GÊNERO: Biografia
EDITORA: Best Seller
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 222 (físico)

SINOPSE:..."Com seu humor perspicaz e impactante, a autora pondera sobre a alegria e a insanidade do mundo das celebridades, o absurdo de uma infância entre pressões e o glamour de Hollywood, e conta como conseguiu construir sua trajetória independente para se tornar a estrela de uma geração."...





Em Memorias da Princesa, Carrie Fisher demonstra que foi uma jovem típica, ou seja, com problemas com a família, com estudos, emprego e claro, com relacionamentos amorosos. Isso tudo enquanto se tornava um ícone do mundo nerd! 
É engraçado ver que uma atriz que povoou, e habita até hoje, nas fantasias sexuais dos mais nerds, chegou a ser considerada gorda e tinha uma infinita lista de complexos! O melhor é ver a visão dela, no auge da maturidade, sobre tudo isso. Ri muito com a perspicácia que ela demonstrava ter sobre esse fato.

Carrie Fisher e Harrison Ford

Sobre o romance mantido com Harrison Ford, só imagino como deve ter sido doloroso ter de fingir superar o fato, pois fica claro que ela não superou...bom, afinal estamos falando do Harrison Ford. Mas também imagino como foi libertador poder falar “Ah, o Harrison Ford? Já peguei”. Sabe aquele “boy” que você deu uns pegas, mas na época não podia espalhar porque não pegava bem? Para isso Deus fez a velhice! Aquela doce época da vida em que podemos falar tudo que vem na cabeça e o povo tem de engolir e ficar quietinho. O capitulo poderia começar com “Miga nem te conto...”, mas mesmo não começando assim, você se sente como se Carrie lhe confidenciasse aquela fofoca bafônica e você quer saber todos os detalhes! 


Eddie Fisher, Debbie Reynolds e Carrie

Fiquei um pouco chocada com a criação que ela teve, não sei porque mas eu achava que as antigas estrelas de Hollywood eram mais, digamos, sensatas. Filha de Eddie Fisher (Cantor de sucessos como "Thinking of you" e "Oh my pa-pa", na década de 1950) e Debbie Reynolds (atriz de Cantando na Chuva 1952 entre outros) que chegaram a ser considerados o casal queridinho da América, isso até o dia em que o pai se separou para ficar com a amiga da mãe, Elizabeth Taylor. A passagem que mais me chamou a atenção foi uma em que a mãe de Carrie, ao saber que ela aos 15 anos estava “ficando” com um dançarino gay de seu show, chega para a filha e diz: “Se você quiser transar com Albert, eu posso assistir para dar orientações”. Não tem como não ficar ao menos perplexa. 


Carrie, relata também, como é ser mulher em Hollywood. Mesmo que em nenhum momento ela se incline para o lado do feminismo, fica subentendido várias situações que poderíamos considerar, no mínimo, abusivas. 

Memória da Princesa - Os diários de Carrie Fisher é uma leitura que vale a pena pela descontração, leveza e bom humor com que Carrie relata suas experiências de como ela se tornou a Princesa Léia.
Não tem como não se tornar fã e, mesmo sabendo não ser mais possível, "shipar" o casal Carrison...

TÍTULO ORIGINAL: A Monster Calls
AUTOR: Patrick Ness
GÊNERO: Ficção
EDITORA: Novo Conceito
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 160

SINOPSE: Conor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida. A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido. O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a VERDADE.


Olá pessoal! Sabe aquele livro que te pega de repente? Não tinha nenhuma informação sobre ele mas fiquei morrendo de vontade de ler Sete Minutos Depois da Meia-Noite depois que vi o trailer do filme. E não me arrependi nem um pouco...

Esse livro é uma mistura de realidade e fantasia. Conor é um adolescente que está passando por vários problemas e, todas as noites, tem o mesmo pesadelo. Um dia, e mais alguns dias, à 00h07, ele é chamado por um monstro que quer contar a ele algumas histórias sendo que, a última, terá de ser contada por Conor, pois ele quer que seja dita a verdade. E essa verdade não é algo que Conor consiga facilmente dizer.




A história, na verdade, é mais um drama do que fantasia. A representação do monstro indica o medo que Conor tem em seus sentimentos mais profundos e que não quer admitir. O livro trata de temas como bullying, relacionamento familiar, dor da perda de entes queridos mas, principalmente, sobre a verdade que está dentro de nós e, muitas vezes, não queremos admitir.

Essa leitura foi uma experiência emocionante para mim e me deixou com mais vontade de assistir ao filme. Pretendo fazê-lo antes de terminar minhas férias e será tema de outra postagem. Por enquanto, segue o trailer:



Recomendo muito a leitura! Tem uma bela mensagem!

Beijos e até a próxima!!!

TÍTULO ORIGINAL: The Price of Salt
AUTORA: Patricia Highsmith
GÊNERO: Drama
EDITORA: L&PM
ANO DE LANÇAMENTO: 2015 (primeira publicação é de 1952)
NÚMERO DE PÁGINAS: 312

SINOPSE: Therese Belivet vê Carol Aird pela primeira vez em uma loja de departamentos de Nova York, onde trabalha como vendedora. Carol está escolhendo um presente de Natal para a filha e resplandece numa aura de perfeita elegância. Observando-a do balcão, Therese está inteiramente despreparada pra o choque de uma epifania erótica e para um amor que será imediatamente condenado por todos. Pois  vida de dona de casa suburbana de Carol é tão imbecilizante quanto o emprego de Therese, e ambas partem para uma jornada sem volta.


Olá pessoal, como vocês estão? Esse livro foi lido por conta do desafio Clube do Livro 2017 onde, em janeiro, teria de ser lido um livro recomendado por um amigo. Na verdade, além de recomendado ele me foi dado de presente de aniversário.

Na época de sua publicação, em 1952, a autora usou o pseudônimo de Claire Morgan e nesta obra ela aborda o tema lesbianismo ambientado na década de 50, quando, certamente, ele não era encarado com a naturalidade de hoje. Therese, às vésperas do Natal, tinha um trabalho tedioso em uma loja de departamentos quando, de repente, aparece uma linda mulher, extremamente elegante e madura, que encheu seus olhos, entretanto, Therese não entendeu logo de cara o que realmente acontecia com ela. A ideia realmente tomou forma após um jantar com Carol. Na época, Therese tinha um relacionamento confuso com Richard, com o qual ela não queria compromisso e, na verdade, o empurrava com a barriga.




Após alguns encontros, Carol e Therese resolvem fazer um viagem de carro sem destino certo, para o Oeste dos Estados Unidos. Durante essa viagem, o amor entre as duas se solidifica, e percebe-se uma doação muito maior por parte de Therese, diria até certa submissão. Pelo fato de Carol ter uma filha e estar se divorciando do marido, ela acaba não de se jogando tanto a esse amor.

Esse relacionamento delas traz grandes problemas a Carol, fazendo Therese sofrer e questionar esse amor. Para mim o final foi clichê.

Foi uma leitura rápida, porém nada tão especial que marcasse minha vida literária. A escrita da autora é fácil de compreender, apesar de algumas palavras rebuscadas que necessitaram consultas ao dicionário. Uma história "normal" apesar do tema polêmico, mesmo nos dias atuais.

Abaixo, segue o banner dos blogs que estão participando do Clube do Livro 2017 para vocês acompanharem todas as postagens!

Beijos e até o próximo post!



TÍTULO ORIGINAL: Ainda Estou Aqui
AUTOR: Marcelo Rubens Paiva
GÊNERO: História real/Política/Memórias
EDITORA: Objetiva (Alfaguara)
ANO DE LANÇAMENTO: 2015
NÚMERO DE PÁGINAS: 3362 (ebook para celular)

SINOPSE: Trinta e cinco anos depois de Feliz Ano Velho, a luta de uma família pela verdade Eunice Paiva é uma mulher de muitas vidas. Casada com o deputado Rubens Paiva, esteve ao seu lado quando foi cassado e exilado, em 1964. Mãe de cinco filhos, passou a criá-los sozinha quando, em 1971, o marido foi preso por agentes da ditadura, a seguir torturado e morto. Em meio a dor, ela se reinventou. Voltou a estudar, tornou-se advogada, defensora dos direitos indígenas. Nunca chorou na frente das câmeras. Ao falar de Eunice, e de sua última luta, desta vez contra o Alzheimer, Marcelo Rubens Paiva fala também da memória, da infância e do filho. E mergulha num momento negro da história recente brasileira para contar - e tentar entender - o que de fato ocorreu com Rubens Paiva, seu pai, naquele janeiro de 1971.


Olá pessoal! Taí mais uma leitura que me fez sair da zona de conforto. Esse livro foi o envio de Dezembro da TAG Experiências Literárias que, por motivos de força maior, tive que cancelar mas, como tenho amigas que ainda assinam, elas me contam qual é o livro do mês e tento ir atrás do título para lermos em conjunto. E esse eu já tinha no meu celular, assim como tenho Feliz Ano Velho, que ainda não li.

Ainda Estou Aqui é um livro que fala de política, além de contar a dramática história da família Paiva, da qual, confesso, não conhecia. Nunca fui fã de política nem de história (era péssima no colégio) e sim, podem me condenar, mas meu conhecimento sobre a ditadura é muito superficial (apesar de ter nascido no finalzinho dela). Entretanto, não consegui ficar indiferente à esse tema após ler esse livro. Marcelo explica, sem rodeios, os horrores dessa época dramática, uma das piores da história do nosso país.



Esse é um livro que impacta e nos faz refletir. O modo como Eunice Paiva encarou toda a situação, a prisão, exílio, tortura e desaparecimento de seu marido, criando seus 5 filhos sozinha, é inspirador. Começou uma carreira aos 41 anos, lutou por seus ideais, levantou a voz para os militares e defendeu as causas indígenas. Mas também é uma história cruel, expondo esse tipo de política, contando detalhes a respeito das torturas realizadas comparando com casos recentes como o do pedreiro Amarildo, torturado em uma UPP (Unidade Política Pacificadora) em 2013.

Fiquei feliz em ter iniciado (e concluído) essa leitura que me fez aumentar mais um pouco meu pequeno rol de leituras de autores nacionais. Com certeza Feliz Ano Velho vai entrar para minha lista. Livro recomendadíssimo e obrigatório! E preparem os lencinhos para tanto drama!

Beijos e até a próxima!

TÍTULO ORIGINAL: Stories of Your Life and Others
AUTOR: Ted Chiang
GÊNERO: Ficção Cientifica
EDITORA: Intrínseca
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 368 (físico)



SINOPSE:"...Com sua prosa límpida e ideias desconcertantes, Ted Chiang constroi as mais fantásticas proposições desenvolvidas com extremo rigor cientifico, o que faz de Historia da sua vida e outros contos uma coleção de soluções dramáticas com a elegância de uma equação matemática e a imageria vivida de um desenho animado..." Braulio Tavares


Quando li a respeito do filme “A Chegada” (Arrival) sabia que teria de ler o livro, e minha maior surpresa foi descobrir que seria um livro de contos escrito por um redator técnico de informática! Mas que surpresa boa foi essa! Apesar de alguns contos possuírem jargões técnicos e termos que deixariam até mesmo os mais nerds um pouco confusos, nada atrapalha a boa e velha filosofia contida neles! Te faz pensar um pouco além do seu “quadradinho”.
No total são 8 contos de tamanhos e assuntos variáveis, só que em todos o autor busca passar uma mensagem de que a realidade é apenas um ponto de vista...Todos dignos de virarem episódios em Black Mirror.
Para não estragar a experiência de quem for ler o livro, vou colocar minha humilde opinião apenas dos dois primeiros:

1º- A Torre da Babilônia.
Ao começar a leitura, em minha ignorância e pressuposição, cheguei a pensar que se tratava de um conto com fundo religioso em que ou a humanidade é tola e ambiciosa ou Deus é pequeno diante dos feitos do homem, mas não é nada disso.
Imaginem uma realidade em que a humanidade acreditasse, e comprovasse, que a Terra é plana. Bom, depois de se chegar ao “canto do mundo” só caberia olhar para cima, más não apenas olhar e sim alcança-lo. E foi isso que fizeram. Após séculos construindo uma torre que se demora 4 meses para subir a pé, de sua base até o topo, a humanidade alcança o firmamento... O que fazer? O que se espera encontrar? Isso é certo ou errado? Essas são as questões que os mineradores (sim mineradores!) convocados levantam durante o trajeto...

2º- Entenda.
Esse me fez apelar para o Google para conseguir entender alguns dos termos usados, nada muito peculiar, mas os quais eu não estava familiarizada. Acho que não deve haver problemas para quem costuma ler sobre psique ou programação, vai tirar de letra.
Nesse conto conhecemos Leon, que sofreu um grave acidente ficando em estado vegetativo e foi tratado com uma droga experimental, o hormônio K, ficando totalmente curado. Só que ocorre um “efeito colateral”, a inteligência dele é vertiginosamente ampliada. As possibilidades se tornam praticamente infinitas para alguém que busca o conhecimento total. Tendo plenos conhecimentos de matemática, física, línguas, artes e tantas outras áreas, ele tem de manter a CIA longe ao mesmo tempo que busca por alguém igual a ele. Dica: pesquisem o termo Gestalt antes de ler!

E os contos que se seguem são todos nesse ritmo. Claro que o que mais me marcou foi o Historia da sua vida. Às vezes desejamos tanto saber o futuro e nos esquecemos de que o essencial já sabemos: ninguém é eterno. Mas se tivéssemos consciência exata de todas as consequências de nossos atos, será que tomaríamos as mesmas atitudes? Será que nos permitiríamos viver alguns anos de um forte amor mesmo sabendo que o final não seria nada legal? Será que exigiríamos tantos de nossos filhos hoje se soubéssemos que nosso tempo com eles será bem menor do que imaginamos?
Pois é, esse conto me fez ver que a ignorância nesse sentindo é realmente é uma benção e que nela está a beleza do livre arbítrio.

Aguardando ansiosa pelo filme ^_^