TÍTULO ORIGINAL: Gerald's Game
AUTOR: Stephen King
GÊNERO: Suspense psicológico
EDITORA: Suma de Letras
ANO DE LANÇAMENTO: o livro é de 1992 e essa edição que li é de 2013
NÚMERO DE PÁGINAS: 336

SINOPSESolidão, dificuldade de se comunicar e de se locomover e traumas da infância. Estes são os temas fundamentais de Jogo perigoso. Jessie e Gerald estão tendo problemas no relacionamento. Na tentativa de dar nova vida a seu casamento, viajam para uma região isolada no Maine. Mas um jogo de sexo acaba se transformando em prelúdio para uma noite de horror. Durante o jogo, Jessie é acorrentada à cama, e, subitamente, Gerald morre diante de seus olhos. Está presa e logo percebe que não há chance de alguém ouvir seus gritos. É nesse momento que, impotente e acompanhada apenas do cadáver do marido, vê todos os seus maiores medos ressurgirem para torturá-la. Jogo perigoso, de Stephen King, revela o estilo eletrizante que consagrou este mestre do terror moderno, e faz o leitor mergulhar numa trama fascinante e diabólica.



Oi pessoal, tudo bem com vocês?? Aproveitando que foi anunciado o lançamento de mais um filme baseado na obra de King (tudo bem que isso foi no ano passado), terminei esse livro agoniante chamado Jogo Perigoso. Vou tentar expressar meus sentimentos em relação a ele...

Como forma de apimentar o casamento, Gerald e Jessie decidem seguir para o lado do sadomasoquismo. Foram para a casa que eles tinham no lago Kashwakamak (nomezinho difícil), onde Gerald prende a mulher na cama com algemas, o que, a princípio, agradou-a. Mas em certo momento, Jessie se arrepende e não quer mais transar com o marido daquela maneira e tenta recusá-lo, quando, em um ato violento, chuta seu marido para longe e ele sofre um ataque cardíaco.

Algemada na cama, sozinha, sem conseguir se libertar, com as chaves fora de seu alcance, Jessie fica aterrorizada com a possibilidade de não conseguir sair dali e tenta não deixar o pânico dominá-la. E é aí que agonia começa... Uma agonia que me lembrou muito Misery (leia a resenha aqui).

O real e o imaginário se misturam na narrativa do autor. Jessie ouvi vozes, recorda fatos de seu passado sofrido (essa parte é nojenta), o que faz com que, no meio de seus devaneios, ela tenha clarões na mente que a levam a tentar, das formas possíveis, se libertar das algemas. A descrição das agonias de Jessie são detalhadas, bem o estilo de King, e fazem você se sentir como se fosse a protagonista. O cara é realmente um gênio, escrever um livro com praticamente um único personagem e te prender do início ao fim... continuo tirando o chapéu pra ele.




O final eu achei um pouco surreal e que não deixou bem claro se algumas visões de Jessie foram reais ou não. Apesar de muito F.O.D.A., ficou um pouco fora de contexto, meio forçado até... mas isso não tirou a genialidade desse suspense psicológico incrível.

Quem já leu esse livro, por favor, deixe sua opinião sobre ele aqui. Ou então comente lá no Facebook do APL ou no Instagram. Vou adorar discutir sobre sobre esse história! E, sim, eu recomendo a leitura!

O filme ainda não tem data de estréia e será adaptado pela Netflix. Estou ansiosíssima por assistir!!!

Beijos e até a próxima!

6 Comentários

  1. Oi Rê!! Pois é, tantas adaptações do King <3 Apesar da ressalva sobre o final, a premissa é mega interessante, meio agoniante pra falar a verdade hehehehe já coloquei na lista de desejados <3

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Esse não li ainda, vou colocar na lista. Em relação ao final, quanto mais você lê Stephen King, mais você percebe que ele adora um final surreal e nonsense... Under the Dome, pra mim, é a maior demonstração disso. E It. E... hahahahaha ;P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Ana... Under The Dome foi fo.....
      bjs

      Excluir

Deixe seu comentário se gostou da postagem. Se não gostou, também pode deixar...