#Quando dá vontade de escrever - 2018




Em 2017 passei por algumas situações bem desgastantes emocionalmente, que me tiraram a paz por uma boa parte do ano. Quando se trata de saúde fico tensa. Em seus últimos dias, pedi muito para que o próximo fosse diferente, que minha saúde melhorasse definitivamente e que eu conseguisse continuar fazendo as coisas que gosto e me dão prazer, e que fosse um ano cheio de amor.

E fui atendida. Em 2018 consegui me restabelecer do meu problema de saúde mais grave, atingi minhas metas com relação ao meu corpo, não aumentei de peso mesmo comendo aos montes (rsrsrs) graças às corridas que, ainda bem, não precisei parar de fazer. Minha família permanece bem e feliz, e isso é mais do que o suficiente para mim.

Mas também foi um ano que tive que lidar com sentimentos que não estava preparada para sentir, que vieram sem avisar e bagunçaram muito minha cabeça. Não me arrependo de ter deixado eles tomarem conta pois, pensando bem e revendo minha vida nos últimos anos, atualmente eles fazem todo sentido.

Foi ainda um ano de reencontro com uma pessoa que não imaginava que voltaria a ver ou falar pois me magoou muito a um tempo atrás, porém ela se justificou e se desculpou, e foi bom retomar a amizade.

Não li tudo o que gostaria, é notável pela baixa movimentação do blog em 2018, e isso talvez se deva a essa bagunça interna a que me referi anteriormente, visto que ficava muito tempo pensando e acabei deixando as leituras um pouco de lado.

Em suma, foi um ano bom em que me surpreendi comigo mesma, tanto em atitudes quanto em sentimentos. E que 2019 venha cheio de surpresas boas!!!

#Resenha - Adulta sim, Madura nem Sempre - Camila Fremder

TÍTULO ORIGINAL: Adulta Sim, Madura nem Sempre: Fraldas, Boletos e Pouco Colágeno
AUTORA: Camila Fremder
GÊNERO: Crônicas
EDITORA: Paralela
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
NÚMERO DE PÁGINAS: 136

SINOPSEA vida adulta chega de uma hora para outra e nem sempre estamos preparados para ela. E tudo bem.
Um dia você é a jovem moderna que ouve música alta e incomoda a vizinha. Num piscar de olhos é você quem está interfonando para o porteiro e reclamando, aos berros, do som da garota que mora no andar de cima. O que aconteceu? Simples: a vida adulta chegou. Quer dizer, não tem nada de simples.
Como Camila Fremder mostra neste seu novo livro, a vida adulta costuma chegar de uma hora para outra, sem avisar, sem um curso preparatório, sem nada. Ou pelo menos é assim que a gente se sente. E a consequência disso é muito estranhamento, reflexões e boas risadas.
Saem de cena as noites agitadas e os dias sem grandes preocupações, sendo substituídos por fraldas (no caso de quem tem filho), boletos e muita paranoia com a aparência. Com observações perspicazes e bom humor, Camila nos ajuda a entender e aceitar melhor essa transição. Um livro que você não vai conseguir largar. A menos que o bebê acorde ou esteja na hora de você correr para o batente.



É fato que não estamos preparados para a vida adulta. Podemos conjecturar e torcer para que ela chegue logo quando somos adolescentes, mas quando estamos vivendo, vimos que nada é como parece. Não há nada que nos prepare para os problemas que surgirão, as responsabilidades, as inseguranças, os medos.... e quando chega um bebê então....

A autora descreve as aventuras de uma jovem mulher moderna que tenta se reconhecer como adulta enquanto ainda possui vontades de adolescente (me identifiquei muuuuuiiiitttooooo com isso rsrsrs) de uma maneira muito leve e divertida. É impossível não se ver nas mesmas situações dela e não rir muito com isso. 




O ápice do livro é quando ela se torna mãe. Hoje meu filho tem 9 anos, já é totalmente independente (até demais pro meu gosto) mas não teve como eu não lembrar de tudo pelo que passei na gravidez, principalmente ao final dela, e logo após o seu nascimento. Em como fiquei atrapalhada com a amamentação, não gosto nem de lembrar, em como ficava paranóica porque ele dormia demais (sim, meu filho dormia bem e deixava eu dormir rsrsrs), nas mamadas de 3 em 3 horas, na bombinha de leite quando eu tentava tirar o pouco que eu tinha... enfim, conclui-se que só muda de endereço.

Recomendo essa leitura, que pode ser feita em um dia pois é bem fluida, e vai te divertir bastante.

Beijos e até a próxima!!!!!

#Resenha - Uma Casa no Fundo de um Lago - Josh Malerman

TÍTULO ORIGINAL: A House at the Bottom of a Lake
AUTOR: Josh Malerman
GÊNERO: Romance/Suspense
EDITORA: Intrínseca
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
NUMERO DE PÁGINAS: 160

SINOPSEJames e Amélia têm dezessete anos. Em comum, além da idade, têm o fato de estarem um a fim do outro e de serem tomados pelo nervosismo quando James chama Amélia para sair. Mas tudo parece perfeito para um primeiro encontro: um passeio de canoa pelos lagos, levando um cooler cheio de sanduíches e cervejas.
À medida que se aprofundam na exploração, os dois chegam a um lago escondido e encontram algo impressionante debaixo d'água. Um lugar perigosamente mágico: uma casa de dois andares com tudo que tem direito — móveis, um jardim, uma piscina e uma porta da frente, que está aberta.
Enquanto, fascinados, vasculham o imóvel e tentam passar uma boa impressão para o outro, cresce o medo. Será que um local misterioso como aquele esconde alguém — ou algo — vivo? Uma coisa é certa: depois de mergulhar nos mistérios da casa no fundo do lago, a vida deles jamais voltará a ser a mesma.




Olá pessoal! Quando comprei esse livro, achei que fosse um suspense, mas não. Ele fala de amor. E sim, eu gostei muito dele, ao contrário da minha decepção com Caixa de Pássaros, do mesmo autor.

Temos a história de James e Amelia, jovens de 17 anos que se apaixonam e decidem ter seu primeiro encontro em um lago, pois queriam que fosse realmente especial e algo só deles. Só que eles acabam encontrando um segundo e um terceiro lago e, nesse último, uma casa de dois andares, submersa, mobiliada e que desafia a lógica. Eles exploram essa casa em todos os seus cantos, ficam completamente encantados por ela, mas, vez por outra, ela dá arrepios.




A história mostra o amor desses dois jovens inexperientes, unidos por um sentimento forte e que ronda sob um grande mistério. Confesso que tive que ler algumas resenhas para montar uma teoria sobre a história, que deixou um final aberto e eu não sabia o que pensar. Se eu escrever aqui minha interpretação teria que dar spoiler. A história de amor deles está atrelada à casa que representa toda sua magia, todo seu mistério (do amor). E essa magia e esse mistério são potencializados em jovens de 17 anos, o que culmina em um acontecimento não tão agradável ao final do livro mas que, graças a um novo achado de Amelia, tem chance de ser revertido.

Muito difícil escrever essa resenha sem dar spoiler. Vocês vão ler muitas negativas sobre esse livro, mas não desistam, deem uma oportunidade a ele.

Beijos e até a próxima!!!!

#Resenha - Existo, Existo, Existo - Maggie O'Farrell

TÍTULO ORIGINAL: I am, I am, I am
AUTORA: Maggie O'Farrell
GÊNERO: Autobiografia
EDITORA: TAG inéditos
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
NÚMERO DE PÁGINAS: 256

SINOPSEExisto, existo, existo é o livro de memórias surpreendente de Maggie O'Farrell sobre as experiências de quase morte que pontuaram e definiram sua vida. A doença da infância que a deixou de cama por um ano, que ela não deveria sobreviver. Um desejo adolescente de escapar disso quase terminou em desastre. Um encontro com um homem perturbado em um caminho remoto. E, o mais aterrador de tudo, uma luta diária e contínua para proteger sua filha - para quem este livro foi escrito - de uma condição que a deixa inimaginável- mente vulnerável à miríade de perigos da vida.
Dezessete encontros discretos com Maggie em diferentes idades, em diferentes locais, revelam toda uma vida em uma série de instantâneos visuais e viscerais. Em prosa tensa que vibra com eletricidade e emoção contida, O'Farrell capta os perigos que correm logo abaixo da superfície e ilumina a preciosidade, a beleza e os mistérios da própria vida.



Olá pessoal!!! Quantas vezes nós já escapamos de uma situação perigosa sem percebermos sua real dimensão? Eu já tive algumas experiências, umas bem recentes, inclusive...

Nesse livro, a autora nos contas dezessete vivências onde passou bem pertinho e deu um "oi" para a morte. Momentos cruciais em que o perigo foi evitado, passou por pouco, dificuldades e limitações que foram superadas.

Das passagens que mais me marcaram temos: a doença que Maggie teve aos oito anos de idade, uma encefalite que a deixou com sequelas; o último capítulo onde ela conta sobre a dificuldade que foi engravidar de uma de suas filhas e dos problemas com os quais ela nasceu; mas o que mais mexeu comigo foi a passagem sobre o primeiro aborto espontâneo que sofreu, e os que aconteceram na sequência, pois passei por um também, em 2007, e sofri bastante.




A autora intitula cada capítulo com uma parte do corpo diferente, dependendo da experiência de quase morte que teve. O livro é curto, 256 páginas, e ele faz parte do clube de assinaturas TAG inéditos, do qual não faço mais parte rsrsrs. Tive acesso a ele por empréstimo de uma colega de trabalho. Não é uma leitura para qualquer um. Eu, particularmente, achei um pouco entediante, pois esperava um outro enfoque das experiências de quase morte. Porém valeu a experiência.

Beijos e até a próxima!!!!

#Resenha - Por Trás de Seus Olhos - Sarah Pinborough

TÍTULO ORIGINAL: Behind Her Eyes
AUTORA: Sarah Pinborough
GÊNERO: Suspense
EDITORA: Intrínseca
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
NÚMERO DE PÁGINAS: 352

SINOPSELouise é mãe solteira, trabalha como secretária e está presa à rotina da vida moderna: ir para o escritório, cuidar da casa, do filho e tentar descansar no tempo livre. Em uma rara saída à noite, ela conhece um homem no bar e se deixa envolver. Embora ele se vá logo depois de um beijo, Louise fica muito animada por ter encontrado alguém. 
Ela só não esperava que seu novo e casadíssimo chefe seria o homem do bar. Apesar de ele fazer questão de logo esclarecer que o beijo foi um equívoco, em pouco tempo os dois passam a ter um caso. Em uma terrível sequência de erros, Louise acaba ficando amiga da esposa do amante. E, se você acha que sabe para onde esta história vai, pense de novo, porque Por trás de seus olhos não se parece com nenhum livro que já tenha passado por suas mãos. À medida que é arrastada para a história do casal, Louise acaba com mais perguntas que respostas e a única coisa certa é que algo naquele casamento está muito, muito errado.



Olá pessoal!!! Com certeza ler esse thriller no último mês do ano me fez terminá-lo muito bem (pelo menos no quesito literário...). Que história bem construída e com um final realmente inesperado! Eu achei, até a página 320, tudo previsível porém, com o avançar das folhas, fui emitindo vários PQPs, sendo o último bem mais alto que os outros rsrsrsrs.

Louise é uma mãe divorciada e secretária em um consultório de psiquiatria. Não leva uma vida muito agitada, que se resume a cuidar do filho de seis anos, Adam, e o trabalho. Gosta de relaxar com um bom vinho (me identifiquei com ela em relação a isso), fuma sem parar e não é adepta dos exercícios, estando um pouco acima do peso. Mas certo dia, acaba se envolvendo com um homem, David que, depois, descobre que é casado e será seu novo chefe. Mais tarde, acaba conhecendo também sua esposa, Adele, uma mulher lindíssima e um tanto misteriosa.

Esse triângulo amoroso acaba se tornando um jogo psicológico perigoso. Realmente é o que está escrito na contra capa: "Não confie neste livro. Não confie nestas pessoas." De início é difícil saber quem diz a verdade e quem é o vilão. Você sabe que tem algo errado na história mas, por mais que criemos teorias, não há como imaginar o que acontece no final.




Narrado ora por Louise, ora por Adele, o livro vai te trazendo os pontos de vista das duas personagens, que são ambíguos e não são dignos de confiança. E com alguns capítulos que mostram o passado, o quebra cabeça vai sendo entregue e cabe ao leitor tentar juntar as peças. Só que nada é o que parece ser. Não mesmo...

O desfecho da história só é revelado nas últimas páginas, e não tem como você terminar esse livro sem estar verdadeiramente extasiado. Meu queixo caiu e demorou para voltar ao lugar rsrsrs pois o leitor percebe que foi tudo ardilosamente planejado e tudo beeeeeeeem macabro. Foi um dos melhores suspenses que li até hoje.

Enfim, leitura recomendadíssima!!!!!! 

Beijos e até a próxima!!!!

3 anos de blog!!!!!!!!!!!




Olá pessoal! Pois é, há três anos eu quis começar a expor minhas leituras e tentar escrever algo coerente sobre elas e aqui cheguei. Ele nunca teve um número de visitas expressivo, mas fiz alguns amigos blogueiros por aqui. Alguns que já não falo mais e outros que ainda permanecem.

Mas para mim o que importa é que eu continuo escrevendo, mesmo que algumas bobagens às vezes, e nele me realizo e desabafo de alguma forma, mesmo não tendo retorno. Nesse terceiro ano o ritmo de leituras e, consequentemente de postagens, foi mais lento e também desisti dessa história de tentar parcerias com editoras pois vi que, quando você consegue, elas não te dão tanta importância e outras, para conseguir, o blog tem que ter muita exposição, o que não é o caso desse...

Estou feliz de qualquer maneira. Aos que ainda passam por aqui, muito obrigada.

Um beijo!!!


#Resenha - Dança da Escuridão - Marcus Barcelos

TÍTULO ORIGINAL: Dança da Escuridão
AUTOR: Marcus Barcelos
GÊNERO: Terror/suspense
EDITORA: Faro Editorial
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 256

SINOPSEEm Dança da Escuridão, a aguardada sequência de Horror na Colina de Darrington, Ben Simons desperta abruptamente e se vê amarrado a uma cadeira de metal, imerso no breu de um local desconhecido. A voz que grita é a de um homem misterioso e sem escrúpulos, que não poupará esforços para extrair de seu interior a obscura confirmação que tanto deseja... o mal presente na sua origem. Agora, para entender o que aquilo significa, o que o colocou na situação de alvo da seita, e tentar salvar todos que estão em perigo por sua causa, ele precisará remontar seus passos desde muito antes da fuga do sanatório ou do episódio na Colina de Darrington e confrontar os tentáculos da aterrorizante organização, que se mostram cada vez mais presentes em todos os lugares.





Olá pessoal!! Voltando com literatura nacional e meu gênero predileto, li Dança da Escuridão, que é a continuação de Horror na Colina de Darrington (clique em cima do título para ler a resenha sobre ele).

Onze anos se passaram após a tragédia acontecida em Darrington, onde Ben foi obrigado à fazer algo contra alguém que amava muito (não vou ser totalmente aberta aqui para não dar spoiler para quem ainda não leu o primeiro livro) e teve sua vida completamente mudada. Ao acordar preso por cordas em uma cadeira de metal, ele não faz ideia de como foi parar lá, e nem onde está. Mas algo de muito errado está acontecendo e, quando ele houve gritos e a voz conhecida de alguém que ele odeia muito, percebe que o mal está cada vez mais próximo.




Após esses onze anos, Ben finalmente vai descobrir o verdadeiro motivo de o terem colocado como alvo de uma seita maligna. A verdade é muito mais antiga do que ele poderia imaginar, é um mal presente em sua origem, ligado à fenômenos demoníacos.  A gente acha que Ben passou por poucas e boas na adolescência, mas após esse tempo, as coisas só pioraram.




O autor não perde seu estilo nessa continuação e a história é tão intensa quanto a do primeiro livro e te prende até o final. É bem escrita e não deixa pontas soltas. A edição é tão linda quanto a do primeiro, e as ilustrações são demais. Marcus Barcelos escreve muito bem e, se lançar mais livros, vou querer ler com certeza.

Leitura recomendadíssima!

Beijos e até a próxima!!!

#Resenha - O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint Exupéry

TÍTULO ORIGINAL: Le Petit Prince
AUTOR: Antoine de Saint Exupéry
GÊNERO: Fábula
EDITORA: Agir
ANO DE LANÇAMENTO: 1943 (a minha edição é de 2009)
NÚMERO DE PÁGINAS: 96

SINOPSELivro de criança? Com certeza.Livro de adulto também, pois todo homem traz dentro de si o menino que foi.
Como explicar a adoção deste livro por povos tão variados, em tantos países de todos os continentes? Como explicar que ele seja lido sempre por tanto milhões e milhões de pessoas? Como explicar a atualidade deste livro traduzido em oitenta línguas diferentes?
Como compreender que uma história aparentemente tão ingênua seja comovente para tantas pessoas?
O Pequeno Príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia a dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino.



Olá pessoal! Eu já havia lido esse livro para o meu filho e me emocionado. No domingo passado, ele fez uma apresentação da escola que foi uma adaptação de O Pequeno Príncipe e foi tão emocionante, que eu decidi relê-lo.

E óbvio que me emocionei outra vez. A princípio é um livro infantil mas ele é repleto de reflexões sobre ética, comportamento e vida em sociedade nos presenteando com mensagens de amor e otimismo. Apesar de ser um livro com poucas páginas, isso não quer dizer que ele não tenha muito conteúdo, muito pelo contrário, em cada frase, há uma lição. 




O livro conta a história de um piloto de avião que sofre uma pane e cai no deserto do Saara. Ele não possui muita água e precisa consertar seu avião o mais rápido possível para poder sobreviver e na manhã depois da queda, uma criança frágil o encontra. Esse menino pede a ele que desenhe um carneiro e, sem entender, mostra a ele o desenho que fez na infância de uma jiboia que engoliu um elefante. Nenhum adulto tinha interpretado corretamente aquele seu desenho mas o pequeno que ali estava o interpretou corretamente, e novamente pediu para que ele desenhasse um carneiro, pois precisava levar um ao seu planeta. Com a curiosidade despertada, os dois começam a dividir suas experiências e criam um laço de amizade puro e passam a procurar um meio de voltar a seus lares.

A forma como a história é narrada nos faz pensar na maneira como vivemos e agimos. As frases sábias que recheiam o livro e são famosas, são marcantes para nossa vida.

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos."

"Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde às três começarei a ser feliz."

"Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que serão diferentes dos outros. Os outros me fazem entrar debaixo da terra. Os teus me chamarão para fora da toca, como se fossem música."




As frases que falam sobre a importância do amor e da amizade, são as que mais me emocionam nesse livro.

Enfim, esse clássico TEM QUE SER LIDO POR TODOS!!! É muito lindo, de uma profundidade imensa e cheio de lições.

Beijos e até a próxima!!!!

#Resenha - A Pequena Caixa de Gwendy - Stephen King/Richard Chizmar

TÍTULO ORIGINAL: Gwendy's Button Box
AUTORES: Stephen King e Richard Chizmar
EDITORA: Suma 
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
NÚMERO DE PÁGINAS: 168

SINOPSEHá três caminhos para subir até Castle View a partir da cidade de Castle Rock: pela rodovia 117, pela Estrada Pleasant e pela Escada Suicida. Em todos os dias do verão de 1974, Gwendy Peterson, de doze anos, vai pela escada, que fica presa por parafusos de ferro fortes (ainda que enferrujados pelo tempo) e sobe em ziguezague pela encosta do penhasco.
Certo dia, um estranho a chama do alto: “Ei, garota. Vem aqui um pouco. A gente precisa conversar, você e eu”. Em um banco na sombra, perto do caminho de cascalho que leva da escada até o Parque Recreativo de Castle View, há um homem de calça jeans preta, casaco preto e uma camisa branca desabotoada no alto. Na cabeça tem um chapeuzinho preto arrumado.
Vai chegar um dia em que Gwendy terá pesadelos com isso.



Olá pessoal! E estamos voltando com o "mestre". A Pequena Caixa de Gwendy não é mais um dos "bitelões" do autor e sim um livro de menos de 200 páginas, que pode ser lido em uma tarde. Eu (a lerda), li em 2 dias.

A história começa em agosto de 1974 quando Gwendy, uma garotinha de 12 anos, encontra um homem estranho, de chapéu preto, próxima da Escadaria Suicida de Castle Rock. Seu nome é Richard Ferris e ele dá a Gwendy uma caixa cheia de botões e duas alavancas de onde saem pequenos chocolates em formas perfeitas de animais e moedas de prata de 1891. E ao presenteá-la com essa caixa, Ferris lhe dá uma grande responsabilidade e também possibilidades de alcançar bons resultados e benefícios. Dois desses botões trazem a Gwendy melhorias pessoais, profissionais e financeiras mas os outros, se apertados, podem causar grandes catástrofes. E então, vem o dilema: cuidar bem da caixa e resistir à curiosidade ou verificar o que pode acontecer caso os outros botões sejam apertados?




Essa é a premissa do livro que, em se tratando de King, é esperado que seja uma história que mergulhe na alma e no comportamento humano mas... não foi isso que encontrei. Fiquei com uma sensação de vazio o terminar o livro. Nada acontece de realmente inesperado e, no período de 10 anos em que se passa da vida de Gwendy, o ponto alto onde a caixa é realmente utilizada é um pouco frustrante. Passei o livro todo esperando algo mas nada aconteceu. Uma pena...

É uma boa distração para quem quer uma leitura rápida, em uma história que mostra que crescer é enfrentar escolhas e que cada ação nossa tem uma reação.

Beijos e até a próxima!!!!

#Resenha - Paulo e Estêvao - Francisco Cândido Xavier (Emmanuel)

TÍTULO ORIGINAL: Paulo e Estêvão
AUTOR: Francisco Cândido Xavier (ditado pelo espírito Emmanuel)
GÊNERO: Romance
EDITORA: FEB - Federação Espírita Brasileira
ANO DE LANÇAMENTO: Essa edição é de 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 510

SINOPSEQuem era Paulo de Tarso? Um fariseu fanático, obstinado perseguidor de cristãos e da nascente doutrina cristã? Ou um ser predestinado por determinação divina, que recebeu a dádiva da aparição de Jesus, em gloriosa visão às portas da cidade de Damasco, convertendo-se ao Cristianismo? A leitura deste livro nos mostrará a grandeza de Paulo de Tarso. Corajoso, intrépido e sincero que, arrependido de uma postura radical que culminou no apedrejamento de Estêvão – o primeiro mártir do Cristianismo –, humildemente empreendeu acelerada revisão de conceitos e atendeu ao chamado de Jesus. Entre perseguições, enfermidades, zombarias, desilusões, deser- ções de companheiros, pedradas, açoites e encarceramentos, transformou sua vida num exemplo de trabalho através de dezenas de anos de luta, empenhado em abrir igrejas cristãs e dar-lhes assistência. Em algum ponto da vida todos recebemos um chamado do Cristo. Que temos feito? PAULO E ESTÊVÃO fará você compreender como o amor apaga a multidão de faltas cometidas.



Olá pessoal! Finalmente saiu mais uma resenha. Estava precisando diversificar mais minhas leituras e parti para os livros edificantes. Peguei Paulo e Estêvão emprestado da minha mãe, que nem terminou de ler, mas o que as mães não fazem pelos filhos??? rsrs 

Escrito em 1941, o romance conta a saga de Paulo de Tarso em perseguir os primeiros apóstolos cristão de Jesus. Ditado pelo espírito Emmanuel e psicografado pelo médium Chico Xavier, o livro nos leva ao nascimento do Cristianismo, quando imperavam as Lei de Moisés.

Saulo, que depois adota o nome Paulo, cometeu erros criminosos, perseguindo e condenando cristãos, embora com o intuito de servir a Deus. Ele odiava o Cristo que não conseguia compreender. Teve que enfrentar Sua palavra até quando descobrira que sua amada Abigail fora convertida. Porém, em sua extensa caminhada à Damasco em busca de Ananias que, em sua visão, havia desencaminhado Abigail, Saulo tem a visão que o faz se entregar a Jesus e seguir o Evangelho. Ele se arrepende de seus erros e decide mudar o rumo de sua vida, pregando os ensinamentos de Jesus. Em sua peregrinação por diversas cidades enfrenta lutas ásperas, noites ao relento, ameaças, sacrifícios, dores morais.

Paulo não desanimava mesmo assim, sempre se mantendo firme, ensinando a renúncia e o culto do bem. Viveu de seu trabalho e aceitou os sofrimentos com humildade. Aproveitava cada ocasião para repassar os ensinamentos de Jesus, até quando fora preso. Quando não podia se fazer presente fisicamente, Paulo escrevia suas epístolas e as enviava às igrejas das cidades por onde passava.




Contou com a ajuda de alguns amigos para seu amadurecimento e crescimento espiritual. Além de Estevão, seu maior exemplo e Abigail, sua amada, teve Simão Pedro, Tiago e Lucas, que permaneceu com ele até o fim.

As passagens do livro nos levam a refletir sobre o que fazemos e o que efetivamente poderíamos fazer para melhorar as coisas ao nosso redor. Pequenas atitudes que podem mudar o mundo. Várias são as passagens que fazem nos emocionar. O livro é longo, com uma linguagem difícil, que a princípio achei que teria que lê-lo com o dicionário do lado, mas o contexto é simples de se entender.

Esse é o tipo de livro que TODOS devem ler. É uma obra histórica indispensável, independente de religião. Não tenham receio de iniciar a leitura, é um livro para ser lido e absorvido vagarosamente, pois cada passagem é muito importante. Quando comecei achei que demoraria uns 2 meses para terminar, mas acabei em 18 dias. É um livro para a vida.

Beijos e até a próxima!!!!

#Quando dá vontade de escrever - Diálogos imaginários




Às vezes me vem uma vontade enorme de escrever só que quando eu pego o papel e a lapiseira (sim, antes de digitar no blog eu escrevo os textos no meu caderno), a inspiração me falta. Por que será que isso acontece? Será por causa do turbilhão de pensamentos que passa pela minha cabeça e não consigo escolher sobre o que falar?

Assim como quando preciso conversar com alguém sobre um assunto importante. Fico horas bolando na minha cabeça ideias de como abordar o assunto, crio mil diálogos, faço rascunhos e ensaio mentalmente minhas falas, e já imaginando o que a pessoa vai responder. Só que, na hora "H", nada sai. Ou sai tudo distorcido...

Acho que isso faz parte da minha natureza ansiosa. Credo, como é ruim! Você já chega para falar com pessoa em um nível de estresse absurdo, consumido por algo que não aconteceu, e sempre na expectativa do pior. E para agravar a situação, tenho uma "síndrome de baixa autoestima" então, sempre penso que se eu disser tal coisa, a pessoa vai achar ruim, ou que eu só falo bobagens. Meu nível de insegurança é tamanho que, penso eu, acaba me afastando das pessoas por me tornar uma chata de galocha.

Por ficar imaginando o que pode acontecer, simulando possibilidades, já me irrito, visto que penso que sempre o pior vai acontecer. E desse modo é complicado ter paz de espírito.

Alguém na mesma situação?

#Quando dá vontade de escrever - Manutenção do afeto




Conversando com uma amiga há uns dias ela me disse algo que ficou martelando na minha cabeça, não exatamente com essas palavras, mas com essa ideia: Há demonstração, mas não manutenção do afeto.

Daí, leio isso hoje:

"A manutenção do amor exige um cuidado maior. Qualquer palerma se apaixona, mas é preciso paciência para fazer perdurar uma paixão. O esforço de fazer continuar no tempo coisas que se julgam boas — sejam amores ou tradições, monumentos ou amizades — é o que distingue os seres humanos." (Miguel Esteves Cardoso)

A manutenção do afeto é fundamental para a continuidade de um relacionamento. Demonstrar aquela atenção genuína, que vem naturalmente, que está no cuidado com a outra pessoa, na preocupação com o seu bem-estar. Está no olhar, no jeito de tocar, no cuidado ao falar, nos elogios sinceros, na atenção ao escutar.

Quem ama, quer permanecer. Só que cada pessoa tem sua personalidade, sua essência, e aí é que está o desafio. O amor não é egoísta, portanto quem ama, quer ver o outro feliz e faz de tudo para isso. Só que para uns, demonstrar afeto é fácil e prazeroso, para outros, nem tanto.

E você, está fazendo seu ser amado, feliz?

#Resenha - Ligeiramente Pecaminosos - Mary Balogh

TÍTULO ORIGINAL: Slightly Sinful
AUTORA: Mary Balogh
GÊNERO: Romance de época
EDITORA: Arqueiro
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 272

SINOPSEEm meio à Batalha de Waterloo, lorde Alleyne Bedwyn é ferido e dado como morto pela família. Ao acordar, ele se vê no quarto de um bordel sem lembrar quem é ou como foi parar ali. Sua única certeza é que deseja conquistar o coração do anjo que cuida dele todo dia.
Contudo, assim como ele, Rachel York não é quem parece. Depois de enfrentar uma situação difícil, que a levou a viver numa casa de pecados, agora a bela e inteligente jovem precisa recuperar seu dinheiro e as economias das amigas prostitutas, roubados por um falso clérigo. E o belo soldado de quem vem cuidando parece perfeito para se passar por seu marido e ajudá-la em seus planos.
Porém, apesar de ter perdido a memória, Alleyne não perdeu nada de sua sedução. De volta a Londres, os dois se envolvem em um escândalo pecaminoso e, a cada beijo, esquecem que seu relacionamento é apenas uma farsa e ficam mais perto de se entregar à paixão.



Olá pessoal! Estou um tanto quanto chateada pois o blog anda mal das pernas... a quantidade de acessos tem sido bem baixa e isso tem me desmotivado um pouco. Mas vou seguindo firme e forte, nem que seja somente para euzinha ler daqui uns anos.

Ligeiramente Pecaminosos é o quinto livro da série da família Bedwyn, que retomei depois de 2 anos pois realmente não estava na vibe dos romances de época. Porém, voltando à leitura desse gênero, relembrei a sensação gostosa que a autora nos deixa com essa história tão cheia de amor.

Como já contado no volume anterior, Ligeiramente Seduzidos, Alleyne Bedwyn foi dado como morto na Batalha de Waterloo, ao ir entregar uma carta ao Conde de Wellington. Só que nesse quinto livro, ficamos sabendo que ele acabou sendo salvo por um anjo dourado chamado Rachel York. A vida dela não estava fácil, morava em um bordel e havia contribuído para que suas amigas prostitutas perdessem uma vida de economias e pretendia devolver cada centavo a elas. Ao ir à caça de uma maneira de ressarcir as amigas, encontra um jovem ferido, nu e desacordado e não vê alternativas a não ser levá-lo ao bordel, para ajudá-lo. Daí a confusão está armada pois Alleyne acorda e não se lembra de nada, nem de seu próprio nome, tanto que começam a chamá-lo de Johnatan Smith.




Conforme o tempo passa e Alleyne vai se recuperando dos ferimentos, sente-se cada vez mais atraído por Rachel, apesar de achar que ela era também uma prostituta. Sentindo-se endividado com ela por ter salvado sua vida, ele vai ajudá-la a tentar recuperar o dinheiro roubado e, para isso, tem que se fingir casado com Rachel, e daí vocês já imaginam onde isso vai parar.

Mary Balogh traz uma história gostosa e envolvente, com algumas cenas quentes, assim como nos outros volumes da série, e ainda nos faz matar as saudades dos outros personagens da família. Se você gosta de histórias de amor envolventes e emocionantes, leia essa série. Para mim só falta mais um, Ligeiramente Perigosos, que contará a história de Wulfric, o irmão mais velho, autoritário e frio.

Beijos e até a próxima!!!!!

#Quando dá vontade de escrever - Sobre expectativas





Olá pessoal, como estão? Hoje, na verdade, não postarei texto próprio e sim reproduzirei um que li na internet. Quem é que não cria expectativas e, fatalmente, se frustra? Eu, por exemplo, tenho uma frustração atrás da outra. E isso é culpa de quem??? Puramente MINHA... talvez por ingenuidade, talvez por inexperiência de vida, nos meus poucos 40 anos.

O texto abaixo fala um pouco sobre o assunto e quero compartilhar com vocês.


Viver com expectativas nos converte em pessoas fracas a nível emocional, já que esperamos que as coisas aconteçam como desejamos e nem sempre isso será assim. Na verdade, em uma porcentagem considerável de vezes, a vida irá tomar um giro diferente do que esperávamos e não resta outra alternativa a não ser aceitar com a maior tranquilidade possível.
Se não treinarmos bem para deixar as expectativas e abraçar o que chega, corremos o risco de sofrer consideravelmente, de nos deprimirmos e nos enchermos de ansiedade. Cada um escolhe o que prefere, pois cada um é dono de seu próprio estado emocional.
A chave se encontra em aprender a diferença entre o que é controlável e o que não é. Eu não posso controlar o pensamento nem a atitude dos demais, tampouco as circunstâncias do mundo e da vida. No entanto, posso controlar a forma como me relaciono com isso, a forma de pensar sobre o assunto e de enfrentá-lo.
Quando tentamos controlar o incontrolável, evidentemente nos frustramos porque nunca irá acontecer o que queremos. Nossa margem de atuação se reduz a fazer as coisas da melhor maneira que sabemos, mas isso não quer dizer que iremos ser recompensados, nem que tudo irá ocorrer conforme nossas expectativas e desejos. Temos que tirar esta ideia absurda da cabeça e começar a aceitar a realidade.
Pense, por exemplo, que um dia alguém te disse: “O céu deveria ser da cor verde maçã, porque sim, porque eu gosto dessa cor e espero que algum dia seja assim” O que você pensaria? Certamente pensaria que ela não está muito bem da cabeça, que tem um desejo absurdo, que nunca irá se realizar pela simples razão de que é impossível.
Da mesma maneira, quando guardamos expectativas em nossa vida, com nossos próprios assuntos, estamos impondo e exigindo o que deve ser, quando não irá ser e nem tampouco precisa ser.
Quando você percebe que expectativas chegam à sua mente e seu diálogo interno contém um “deveria”, lembre-se de que você não é nenhum Deus que pode mudar o progresso das coisas, é somente um ser humano como outro qualquer que faz o melhor que pode, mas que isso não irá obrigatoriamente deixar todas as coisas melhores, nem fazer com que a vida seja justa.
Você também pode se perguntar, quem disse que as coisas devem sair bem para mim? Onde está escrito que tal pessoa deveria me tratar como mereço? Eu posso controlar o comportamento do outro de alguma maneira? De que me serve pensar que o mundo está obrigado a me satisfazer e esperar que assim seja?
Quando você encontra as respostas reais e racionais a todas estas perguntas e muda seu diálogo interno para “eu gostaria, mas talvez não seja assim e eu não preciso disso” ou “não espero que beltrano me traga um presente pelo meu aniversário, mas seria fantástico se ele o fizesse”, você se dá conta de que é muito mais forte e livre.
Você terá se desligado das expectativas irracionais, da rigidez, da grandiosidade e começará a aceitar o que o Universo tem preparado para você. Às vezes gostará do resultado, outras não, mas é nisso que a vida consiste.
Se tudo fosse sempre cor de rosa e como queríamos, esta coisa de viver teria pouca graça. Não existe alegria sem tristeza, satisfação sem decepção, sucesso sem fracasso. Para sentir o formigamento que o alcance de uma expectativa produz, temos que conhecer a frustração e tolerá-la. 

Fonte: https://amenteemaravilhosa.com.br/viver-sem-expectativas/

#Resenha - O Quarto Dia - Sarah Lotz

TÍTULO ORIGINAL: Day Four
AUTORA: Sarah Lotz
GÊNERO: Suspense
EDITORA: Arqueiro
ANO DE LANÇAMENTO: 2016
NÚMERO DE PÁGINAS: 352


SINOPSEJaneiro de 2017. Após cinco dias desaparecido, o navio O Belo Sonhador é encontrado à deriva no golfo do México. Poderia ser só mais um caso de falha de comunicação e pane mecânica... se não fosse por um detalhe: não há uma pessoa viva sequer no cruzeiro.
As autoridades acham indícios de uma epidemia de norovírus, mas apenas descobrem os corpos de duas passageiras. Para piorar, todos os registros e gravações de bordo sofreram danos irreparáveis. 
Como milhares de pessoas podem ter sumido sem deixar rastro? Teorias da conspiração se alastram, mas só há uma certeza: 2.962 passageiros e tripulantes simplesmente desapareceram no mar do Caribe.



Olá pessoal! Comprei esse livro assim que foi lançado, há dois anos, mas ele estava na minha estante desde então... Eu amei a experiência com o livro anterior da autora, Os Três, que foi um suspense bem intrigante e escrito de forma peculiar. Sarah Lotz manteve essa característica em O Quarto Dia, o que o tornou um livro bem interessante e dinâmico. Apesar da semelhança entre as capas, sugerindo uma continuação, as histórias são independentes, havendo somente algumas citações de fatos do primeiro livro.

A história gira em torno de um cruzeiro de réveillon que teve seu início como manda o figurino: shows, bebidas, piscina, diversão. Os passageiros do navio "O Belo Sonhador" somente queriam passar uma virada de ano diferente, só que não tinham ideia do que aconteceria por lá. No quarto dia de viagem ocorre uma pane no navio que fez com que ficasse à deriva em alto mar. Toda comunicação fica prejudicada, não existe conexão de internet, há falta de energia, a comida fica escassa enfim, o caos se instala.




Apesar de os tripulantes avisarem que a ajuda viria, ela não chegou, e toda aquela confusão levou os passageiros ao limite. Dentre os principais personagens, cito a vidente das estrelas, Celine Del Ray, que foi convidada para o show principal do cruzeiro, e que tem um papel fundamental na história.

A trama se desenrola nos dias em que o navio está à deriva, ao contrário do que sugere a sinopse, que faz parecer que a história seria contada após o aparecimento do navio, onde ninguém foi encontrado com vida. Ao final, comparando com o outro livro da autora, após o aparecimento do navio, a história é contada por meio de anúncios de jornal e interrogatórios mas não espere que isso irá te dar as respostas sobre o que realmente aconteceu... A escrita com clima misterioso da autora é muito legal mas ela deixa o final aberto, e o mistério ficou sem resposta para mim, e isso me frustrou... tentei imaginar algumas coisas, mas não cheguei a uma conclusão concreta.

O livro é um bom entretenimento mas eu gostei mais do primeiro. Enfim, fica a dica.

Beijos e até a próxima!!!
Topo